Mais Favoritos

Admito que só coloquei 5 favoritos post passado porque tava atrasada. Queria continuar hoje, mas tô com problema de memória e não lembro do resto

Anyway, vou colocar aqui então o único que entra na categoria Pago Pau (vide post passado para a legenda) e alguns importantes que ainda lembro. Daí vou atualizar o About e colocar todas as minhas preferências lá e pronto, ok?

Johnny Depp (!!)

Foi o primeiro ator por quem me apaixonei. Tinha uns 10, 11 anos e meu filme favorito era Sleepy Hollow (A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça). Lembro que comprei um livro e assisti aquele Hollywood True Story ou algo do tipo e fiquei sabendo tudo da vida dele. Também tinha (tenho, na real) toda a filmografia dele no meu diário de 03/04 (nessa época não existia IMDB na minha vida). Foi por lá que consegui assistir grande parte dos filmes dele. Os que ainda não vi: Private Resort, Cry Baby, Slow Burn, Platoon, Arizona Dream, Ed Wood Dead Man, The Astrounat’s Wife, The Man Who Cried, Before Night Falls, …And They Lived Happily Ever After e The Imaginarium Of Doctor Parnassus. Parece muitos né? Mas contando que ele tem quase 50 filmes no seu currículo, 12 não é taaaanta coisa. Maioria destes são os antigões e alguns realmente nem me interessam. Acredito que assisti todos os que realmente me interessavam ( com excessão do Ed Wood e do Doctor Parnassus, que ainda verei). Anyway, Johnny Depp for life!

Jonathan Rhys Meyer (!)

Ahhh Jonathan, meu irlandês lindo e preferido… Lembro do dia  que assisti o primeiro filme que vi com ele: Bend It Like Beckham (Driblando o Destino). Não tinha absolutamente nada pra fazer e a única coisa que o tédio me permitia fazer era ver um filme. E claro, logo quando eu tenho saco pra ver filme, não tem nenhuma raridade passando. Tava mudando de canal quando vi a Keira Knightley. Como curto ela (vejam a seguir)… Resolvi deixar lá. Fiquei apaixonada pelo quase figurante que era o Jonathan, até então super desconhecido pela minha pessoa. A participação dele era mínima, mas me ganhou pela beleza falo mermo … Aí fui atrás de nome e filmografia e acabei vendo: Match Point, August Rush e The Tudors, a série. Ainda me falta ver From Paris With Love… Ele não tem graaandes filmes no currículo, mas tirando por The Tudors, dá pra ver que ele tem potencial sim. Espero que as escolhas futuras dele mostrem mais o que ele tem a oferecer.

Keira Knightley (!)

Ela, todo mundo conhece né? Não tenho muito o que falar então. Primeiro filme que vi foi The Hole (O Buraco). Aliás, acredito que este tenha sido um dos melhores filmes da Keira que já vi. Ele é meio thriller, suspense, tipo de filme que eu curto muito por, acima de tudo, exigir boas interpretações. Não é todo ator/atriz que convence  num filme de terror/trash/suspense. E ela estava muito bem (e nova) em The Hole. Recomendo. Depois desse vei0  o já citado acima, Pirates of the Caribbean, Love Actually, The Jacket e Pride & Prejudice. Entre os que eu não vi estão Star Wars Episode I, King Arthur, Atonement e The Dutchess, entre outros. O grande problema pra mim em seguir a filmografia da Keira é o fato de ela optar MUITO por filmes de época. Honestamente, são filmes que não fazem meu tipo, mas uma vez ou outra eu abro exceções, como em Pride & Prejudice, que é mara :B

M. Night Shyamalan (!)

Quero primeiro dizer que acertei o nome dele sem colar proud *-* E depois que, sim, ele é aquele diretor de The Village (A Vila), The Six Sense (Sexto Sentido) e The Happening (Fim dos Tempos). Ai todo mundo fica chocado né? Ou não. O que eu sei é que eu sou a única pessoa que eu conheço que curte o cara. Diga o que quiser, mas The Village e The Six Sense tá no meu TOP 20 de filmes mais legais de todos os tempos e The Happening é um filme muito sem noção sobre o fim do mundo que eu achei criativo, saindo daquele negócio de terremotos e tsunamis gigante e et’s. Anyway, não que o cara seja a melhor coisa do mundo, né… Mas acho que muita gente subestima ele e sua criatividade non sense.

Jason Reitman (+)

Jason é um plus que vai subir e quem sabe se tornar um !! É diretor também, começou com Operation, depois In God We Trust, mas foi só com Thank You For Smoking que ele entrou no mapa ¬¬ Já dirigiu um episódio de SNL *_* e dois de The Office, além de fazer Juno E Up In The Air, é canadense e tá dirigindo e fazendo ponta em mais um filme da Diablo Cody, com a Charlize Theron no elenco. Olha, depois de Juno achei que eu ia Pagar Pau pra tudo o que a Diablo Cody inventasse, mas quebrei logo a cara com Jennifer’s Body. Como todo mundo tem direito a sua opinião, a minha é que qualquer coisa com a Megan Fox no elenco acaba sendo roubada. SIM, eu assisti o primeiro Transformer e ela não tava muito mal não, até porque a presença dela não era lá crucial. Mas sério, um filme com ela no elenco pra mim passa direto, tem que ter uma BELA razão pra eu querer ver. Deixando isso de lado, cruzo os dedos pra que dê certo essa nova parceria Cody/Reitman. E torço mais ainda pra que venham mais comédias com assuntos sérios e elaboradas cenas de aberturas que só ele proporciona.

E é puramente isso minha gente. Sei que é pouco visto que tem mais uns montes de nomes que poderiam estar aqui, mas que não me LEMBRO no momento. Fiquem ligados que em breve trago mais. Até.

UPDATE

Gente, não posso deixar esse post passar sem a presença de Alan Rickman. Mil perdões.

Alan Rickman (!)


Falha minha. Como não lembrar dele??? Anyway… Claro que como uma adolescente pirralha que fui, conheci ele através de Harry Potter HAHAHAHAHA E tenho que admitir o carinho pelo filme por me dar a graça de ver Alan Rickman de cabelo preto e longo ( eu sei, vc deve odiar, mas eu adoro =x). Desde o começo o Snape foi meu personagem favorito. Normal, sempre tive queda por vilões. Acredito até que se, Deus me livre, eu fosse vítima de sequestro, as chances seriam grande de eu ter a Síndrome de Estocolmo. ANYWAY. Filmes dele que eu vi: os do HP, claro, Love Actually, SNOW CAKE *-* (merece um post separado), Perfume: The Story of a Murderer, Sweeney Todd e Alice In Wonderland. Tá que nesse último ele só emprestou a voz né. MAS poxa, que voz. Não vou me prolongar muito aqui porque um dia virá um post sobre Snow Cake aí eu vou me acabar de falar dele lá. =D

Anúncios

Up In The Air

Então, cont. do post passado, vou falar mais um pouco de Up In The Air (Amor Sem Escalas),

Então, se você ainda não viu o filme e não curte que eu te conte tudo antes spoiler, não leia mais. CORRE. Ou então, continua!

Começo com a minha tradução da quote de ontem:

O quanto sua vida pesa? Imagine por um segundo que você está carregando uma mochila. Eu quero que você coloque nela tudo o que você tem na sua vida… comece com as pequenas coisas. As pratileiras, os armários, depois você começa a colocar as coisas maiores. Roupas, utensílios de mesa, lâmpadas, sua TV… a mochila deve estar começando a pesar agora. Você continua colocando coisas maiores. Seu sofá, seu carro, sua casa… Eu quero que você coloque tudo dentro da mochila. Agora eu quero que você a preencha com pessoas. Comece com conhecidos, amigos de amigos, pessoal do trabalho… e depois você passa para as pessoas que você confia os seus segredos mais íntimos. Seus irmãos, suas irmães,seus filhos, seus pais e finalmente seu marido, sua mulher, seu namorado, sua namorada. Você coloca eles dentro da sua mochila, e sente o peso dela. Não se engane, seus relacionamentos são os componentes mais pesados da sua vida. Todas aquelas negociações, argumentos e segredos, os compromissos. Quanto mais devagar nos movemos, mais rápido morremos. Não se engane, se movimentar é viver. Alguns animais foram feitos para carregar uns aos outros e viver simbioticamente ao longo da vida. Cisnes monogâmicos. Nós não somos cisnes. Nós somos tubarões.

Falando um pouco do filme. Como disse, me parece que muita gente não gostou ou achou medíocre. Outros, que gostaram, ou foi pelo final não-tão-feliz ou foi…sei lá…pelo George Clooney. Admito que o final foi bem mais legal do que eu esperava. É o tipo de ‘fim’ que deixa margens pra interpretação. SIIIIM. Muitos podem achar que o Ryan vai mudar de vida, que mesmo com a decepção amorosa, ele vai passar a dar mais valor pra família e tentar ter uma vida ‘normal’ . Eu sou do time de pessoas que acham que não. Prefiro acreditar que esse filme tem uma ligação com a realidade e ele vai continuar na mesma, que nem sempre uma decepção amorosa ou algo do tipo pode mudar tudo. Primeiro porque eu acho o estilo de vida dele muito bacana. Viver viajando de primeira classe não me parece nada mal. E trabalhar demitindo pessoas por aí não me parece um preço tão caro a pagar. Sem falar que ele tem o dom pra isso, ele sabe o que tá fazendo e acaba trazendo um pouco de…. compaixão¿…pro ofício.

Outro comentário que andei ouvindo sobre esse filme foi de que ele é imaturo. IMATURO, sério¿ Assim, ele me parece egoísta sim, quando não aceita ‘de primeira’ a ideia de mudar o modo como seu trabalho é feito ( do cara-a-cara para o mundo virtual). A primeira coisa que pensei quando ele criticou a ideia da novata Natalie (Anna Kendrik, excelente nesse papel!)  foi: HAHA, tá frescando só porque vai perder as viagens. Mas aí eu ouço os argumentos dele e penso: num mundo tecnológico como o de hoje, toooodooo mundo adora internet, mas sabe que NADA substitui o cara-a-cara. Ainda mais nas situações delicadas, como demitir alguém. Isso se você tem alguma consideração com os sentimento dos outros, claro. Mas imaturo o Ryan não é não. Ele não é compreendido, isso sim. O cara quer viver a vida dele, do jeito que ele quer e gosta, colecionando milhas

Oi eu tenho 10.000.000 milhas e um cartão VIPASSO hehehe

e viajando por aí. Eu entendo completamente. Não é porque o cara quer viver sozinho que ele é imaturo oras! CLARO que , em algum ponto, ele vai sentir falta de alguém pra conversar e eventualmente vai fazer algo a respeito. Normal. Mas sei lá, não vejo nada errado na vida dele não. Ainda mais porque super concordo com a ideia principal da ‘Teoria da Mochila’. Quem se move devagar aproveita menos a vida. Certas questões envolvendo relacionamento atrasam SIM a vida. Mágoa, ressentimento e coisas ruins, por exemplo. Isso é o que acho que pesa mais na mochila. E se você tem o espírito aventureiro como eu e o Ryan, você sabe que não dá pra se prender à sua família e amigos e querer conhecer o mundo ao mesmo tempo, né¿  Conheço muita gente assim!

No final, aquele belo tapa na cara: quando ele acha que tá na hora de dar uma chance ao amor e que encontrou a pessoa certa pra isso, ele estava errado. Achei válido. Tava muito bom pra ser verdade!!! E lá foi ele, seguiu a diante com sua vida. Bem legal mesmo! Alguém acha que não¿ Sério, me diz porque esse filme não é legal!

Minha opinião é essa aí e como sempre, estou disposta a mudar de ideia dependendo dos argumentos. Ou seja, até segunda ordem, Jason Reitman

é o cara o/

Mad_rugada

Altas horas da noite, sem criatividade, sem saco pra postar. Eu sei. Que feio. Ainda mais agora que ando precisando descarregar pensamentos.

Vou pegar uma mega quote de um filme que eu admiro…peraí.

Ryan Bingham: How much does your life weigh? Imagine for a second that you’re carrying a backpack. I want you to pack it with all the stuff that you have in your life… you start with the little things. The shelves, the drawers, the knickknacks, then you start adding larger stuff. Clothes, tabletop appliances, lamps, your TV… the backpack should be getting pretty heavy now. You go bigger. Your couch, your car, your home… I want you to stuff it all into that backpack. Now I want you to fill it with people. Start with casual acquaintances, friends of friends, folks around the office… and then you move into the people you trust with your most intimate secrets. Your brothers, your sisters, your children, your parents and finally your husband, your wife, your boyfriend, your girlfriend. You get them into that backpack, feel the weight of that bag. Make no mistake your relationships are the heaviest components in your life. All those negotiations and arguments and secrets, the compromises. The slower we move the faster we die. Make no mistake, moving is living. Some animals were meant to carry each other to live symbiotically over a lifetime. Star crossed lovers, monogamous swans. We are not swans. We are sharks.

Não vou traduzir…hoje. Só vou dizer que esse filme é MARA. Ah, vão dizer: é chato, tedioso, George Clooney SUX, podia ser melhor, garota de twilight, história fraca… bla bla bla BLA.

Gente cansei dos reclamões(ehehehehe)! Daí depois vem dizer que não sabe pq a vida é tão ruim. ACORDA MOSSO A VIDA É RUIM PQ TU QUER QUE ELA SEJA FIKDIK

Voltando. Eu, eu curti o filme. Curti pq eu curto tudo um pouco ou um pouco de tudo. Aprendi coisas aí. Vale a assistida. Vale ver o George dizendo que se a gente quiser progredir, ir adiante, avançar, VIVER, é preciso NÃO deixar o passado e os sentimentos/relacionamentos pesarem  TANTO. Achei válido. E ainda moorri de inveja desse corno safado que viaja 29840283429 vezes de PRIMEIRA classe. (filme nean, eu sei, mas e daí?)

Então gentoilas. A mad_rugada me faz assim. Não esperem mais de um post desse horário (pelo menos não tô bebada escrevendo TUUUUDO ERRAAADO.)