Les Revenants

Estava eu outro dia (com a minha internet e TV a cabo finalmente instalados no meu quarto novo) sem fazer nada, quando esbarrei (pela segunda vez) com uma série chamado Les Revenants. Ainda estava numa fase preguiçosa, onde tinha que assistir os primeiros epis de Hannibal e Top Of  The Lake, mas li um comentário que me fez  inverter as ordens e começar por LR:

coment LR

Pulando a parte em que ele fala sobre o tal Harry Neco (comentou que a série não é boa porque não é da ABC, NBC, etc.) esse comentário resume bem o estilo da série. Les Revenants é uma série francesa, baseada num filme, onde algumas pessoas que morreram, voltam como se nada tivesse acontecido.

Não quero falar muito da história pra não estragar a experiencia de ninguém. Mas eu gostei. O primeiro episódio é realmente um ótimo piloto, então se você não se empolgar NEM UM POUCO com a história, é muito provável que a série não vá lhe agradar. Mas se você for como eu, que adora uma história com certo clichê, mas com elementos novos e criativos, se uma ótima fotografia e trilha sonora fazem diferença pra você…então dê uma chance.

A abertura em si já é uma boa prova do que é a série:

Nunca fui muito fã de francês por falta de contato mesmo, mas depois dessa série, comecei a admirar bastante a língua. Fora isso, separei umas imagens pra ilustrar outros motivos que me fizeram gostar da série. Essa primeira são os nomes dos epis (a primeira temporada só tem 8 episódios) que são também nomes de alguns personagens.

LRepis

Tem também os atores, como a Jenna Thiam, que além de me lembrar a Rachelle Lefevre, é uma das principais,

LRlena

o Pierre Perrier (gatiiinho, desculps)

LRSimon

e a menininha que me lembra a Emma Roberts.

LRfilha

E um último detalhe, a trilha sonora:

LRmogwai

Ali no cantinho….viram? Mogwai faz a trilha sonora da série. Não sei se vocês conhecem a banda, eu conheço superficialmente, e gosto. A trilha então, achei fantástica (combinou muito com o tom e o estilo da série). Clicando aqui você pode ler a review do album pelo Pitchfork (além de um breve resumo da série, que o Pitchfork diz ser um drama ‘lindamente sutil’ sobre ‘zumbis que não são maníacos por carne’ numa cidadezinha ‘irmã de Twin Peaks’). E clicando aqui você pode encontrar o album para download 😉 E aaaah, quase ia esquecendo, AQUI você encontra os episódios pra baixar =)

Anyway, espero que essa série seja tão boa na segunda temporada (que eu não sei quando estréia, mas provavelmente só em 2014) quanto foi na primeira!

Ah, e de bônus, aqui vai o link de uma matéria sobre o sucesso da série (e sua exibição em diversos países): http://veja.abril.com.br/blog/temporadas/tag/les-revenants/

 

Se alguém aí assistir, deixa sua opinião aí ;D

Tudo novo de novo

E mais um ano começa.

2013

Rolou boatos de que esse ano não chegaria. E chegou. De boa até. Se 2012 foi bom, com notão no TCC, fim de faculdade, altas viagens (NYC <3) e shows, 2013 será melhor. Mais posts? Chega de prometer isso né? Mas que o ano parece ser promissor, isso sim.

Depois da breve experiência de morar fora por seis meses no intercâmbio pro Canadá, agora é a vez de morar no Rio de Janeiro, por um ano. É claro que a coisa é bem diferente dessa vez, não é tão longe, nem frio e nem vou precisar falar inglês 24/7. Mas o que vale é o que importa. Morar ‘sozinha’ (na casa de parentes que eu não conheço) numa cidade diferente e maior, estudar, trabalhar… as coisas estão ficando sérias.

Mas não vim falar exatamente sobre isso.2013 tem apenas 16 dias de idade, mas pra mim os bons momentos já começaram. Já li livro bom, vi filme legal e até acabei me convencendo a ver outras séries aí.

Livro: Sombras da Noite – Stephen King

Esse é um dos primeiros livros de contos (se não o primeiro) do Stephen King. Eu adoro história de terror, mas tenho uma certa dificuldade de acompanhar histórias muuuuito longas. Descobri que contos eram perfeitos pra mim quando li 20th Century Ghosts, o livro de contos do filho do King, o Joe Hill ❤  Daí, ano passado, quando eu estava alone em SP, vi um video de uma palestra do Stephen numa faculdade, e aí alguma coisa despertou em mim e eu reconheci o que eu estava perdendo não lendo mais das obras dele. Sombras da Noite é um ótimo livro, até porque tem os contos mais famosos dele, como As crianças do Milharal, Mangler e ‘Salem’s Lot.

Filme: Pitch Perfect

Primeiramente, devo dizer que adoro Moulin Rouge, Nine e Burlesque, mas não sou fanzona de musicas. Odeio Glee. Mas Pitch Perfect é outra coisa. Tudo começou quando eu me apaixonei de vez pela Anna Kendrick, logo depois da primeira vez que vi Up In The Air. Daí assisti Elsewhere e What to Expect When You’re Expecting. Ainda tenho um certo caminho a percorrer na filmografia dela (que infelizmente não é tão grande). E decidi assistir Pitch Perfect por esse exato motivo. Tinha ouvido dizer que não era essas coca cola toda, mas pra mim foi uma boa de uma coca gelada (sdds refrigerante!). Como disse David Letterman, a assistida vale por, no mínimo, isso: Anna Kendrick being Awesome with the cup.

Série: The Carrie Diaries

Eu nunca assisti Sex And The City. Primeiro eu tinha um preconceito bobo com séries too girly. Depois, foi passando, novas temporadas, aí acabou. O filme eu vi, mas só o primeiro. Acontece que agora mais do que nunca tô numa fase TOO NYC, então quanto mais séries ambientadas lá, melhor! Bom, TCD (The Carrie Diaries) só tem o piloto lançado, mas devo dizer que já curti, apesar de ser girly e tudo mais. Mas tem o Austin Butler e é ambientada nos anos 80! E com o tempo que eu vou ter pra mim por aqui, bem capaz de eu acabar vendo SatC também.

Who should you let in?

Olá peeps

Querem saber algo engraçado? O post passado era pra eu reclamar de outra coisa. HAHA. E eu queria fazer um post sobre o Oscar, sabe, bem clichê, dizendo quem eu queria que ganhasse e mimimi. Mas decidi que não. Basta dizer que sei que The Social Network vai ganhar quando na verdade Inception deveria levar. E se tudo der certo, Natalie Portman também ganha como melhor atriz. Só acho uma droga ninguém reconhecer que a Mila Kunis atuou muito bem. Mas como não vi os outros indicados, sou suspeita pra falar hehe.

Mas o post de hoje é dedicado a outra coisa. O título quer dizer ‘quem você deve deixar entrar?’ e é sobre um filme e seu remake.

Sim, vou fazer uma tentativa de resenha mais voltada na comparação de Let The Right One In e Let Me In.

Primeiro queria falar sobre outro original x remake: REC x Quarentine. Eu infelizmente acabei vendo o Remake primeiro. Infelizmente, porque acaba com toda a magia que é ver um filme na sua essencia. Queria deixar claro que essa é a minha opinião. Primeiro porque os originais são baseados numa ideia, num livro, em imagens abstratas, e do nada se tornam uma história que acompanhamos com nossos próprios olhos. Eles contém exatamente a medida certa de sentimento e emoção que você precisa receber para entender e apreciar a ideia. Muitos remakes, na minha opinião, tentam recontar aquela história de um ponto de vista onde muita informação é dada, onde o mistério acaba e quase tudo é explicado. ESPECIALMENTE se o remake for americano.

Eu nunca realmente tinha prestado atenção, mas sempre ouvi dizer que o povo americano é burro, quando se fala em filme. E até em série. Sempre achei que existia dois tipos de ‘povo americano’ aqueles sem importância nenhuma, que povoam a internet mostrando seu fanatismo por determinado assunto, ou série, ou livro, e que eu acabo me identificando… e aqueles super importantes, numerosos, que tem o poder de mudar de canal, fazer uma série muito boa perder audiência e ser cancelada, não entender um filme muito bom e os quais eu nunca encontrei por aí. Tá confuso com o que eu acabei de falar? Ok, eu explico. Primeiro percebi isso com seriados de tv. Por exemplo, um seriado estreia, daí você assiste e se amarra, daí vê que todo mundo que você conhece também se amarra, e na internet em todo canto todo O mundo se amarra, e no episódio seguinte ele é cancelado, e dizem que foi por falta de audiência. Ai você se pergunta ” E todas as pessoas que assistiam??? Que amam??? TODO MUNDO GOSTAVA, poxa!” e aí é que eu digo que esse todo mundo são as pessoas sem importância, e que existem pessoas mais importantes, que você nunca viu, que odiaram o seriado e pronto, ele foi cancelado.

Assim acontece com os filmes. Não, eles não são cancelados. Mas muitas vezes filmes estrangeiros ganham remakes americanos, muito provavelmente por que as pessoas importantes de lá não entendem o original. Sério, só vejo esse motivo. Voltando a Rec, original espanhol e Quarentine, remake USA. Esses dois são o único conjunto que eu achei um a cara cuspida e escarrada do outro. Sério, ficou bem parecido. O que é bom porque não perde muito a essencia do original e ruim por que…. se é tão parecido, pra que fazer ?

Já no caso de Let The Right One In, o original sueco e que eu apelidarei de right one, e de Let Me In, remake USA que será chamado por mim de me, a história é diferente. Com eles vocês COM CERTEZA vão entender o que eu tô dizendo, pois eles são o perfeito exemplo disso.

Então vamos lá falar deles. A partir daqui sinto informar que haverá spoilers de ambos.

Primeira coisa que eu notei, eles inverteram a cor do cabelo dos personagens. Em right one, a menina tem cabelos pretos e o menino é loiro e em me a menina é loira e menino tem cabelos pretos. Desculpa, isso me pertubou um poucozinho, hehe.

Depois, o começo. Right One começa belamente com neve caindo *-* mais exatamente com o reflexo de um menino loiro na janela onde vemos a neve cair e depois a cena muda para  um homem e a sombra de uma menina chegando num prédio. Me começa com um cara gritando que nem um louco dentro de uma ambulância e depois de uns minutos, descobrimos que ele foi atingido por um tipo de ácido no rosto e nas mãos e que por isso não pode ser identificado. O policial tá no hospital investigando, daí ele tem que atender a ligação de uma enfermeira que fala algo sobre a filha dele. Aí ela não termina de falar porque todos nós ouvimos gritos e descobrimos que o cara se jogou da janela. OU SEJA, pra quem já viu o original, sabemos que o Me começa então com um flashback.

Nada contra flashbacks, mas sinceramente não vi motivo para isso. AH, claro, os USA gostam de começar causando né, claro… Mal sabem eles a beleza que eles perderam deixando de seguir o caminho do Right One, simples e bonito.

Aí ok, ambos continuam. Começamos a ver então a história do menino Oskar (right one)/ Owen (me), que sofre de bullying. É claro que mais uma vez os USA vão exagerar um pouco, mas nada que fuja MUITO da história original.

Daí então tem a primeira morte. Minhas dúvidas quanto a melhor versão. No Right One, o homem (que eu nem sei se tem nome hehe) vai no parque (cheio de neve*-*), encontra um caramada qualquer, passa um papo, estrangula o cara, pendura ele na árvore, e corta o pescoço dele, pro sangue cair e escorrer pro balde lá. Daí ele é interrompido por um cachorro que começa a latir. Ele tenta espantar o cachorro, mas a dona começa a se a proximar, daí ele tem que fugir com o pouco de sangue que ele conseguiu. A cena é muito peculiar. Primeiro porque ela é super clara e tal, e o cara bloqueia nossa visão quando vai esfaquear a vítima. Por isso, achei meio simples demais. Mas a parte do cachorro foi ótema.

Já no Me… as coisas são bem mais dramáticas né? O cara se esconde na parte de trás do carro de um garoto, sufoca ele, leva pro mato, pendura e faz o mesmo processo. Só que aqui, vejam vocês, está tudo escuuuuuuro, você pode ver bem a respiração dos dois. Ainda tem fumacinha saindo da boca da vítima quando o ‘pai’ se abaixa pra cortar a garganta, e aí, minha gente, é on screen… ouvi a galera no cinema dar um gemidinho.

Bom, não vou ficar aqui falando de todas as diferenças dos dois. Vou logo ao ponto. Lembro de estar um dia na TGTG procurando filme pra baixar. Me deparei com o tópico de Let The Right One In e nos comentários é que fui ver que tinha algo muito bom nesse filme. Era de vampiro, todos sabíamos. Mas tinha certos comentários sobre certa cena que me chamaram a atenção. Assim, cada filme de vampiro com suas lendas, certo? No Right one tanto quanto no Me, tem a famosa cena de quando a Eli (Right One)/ Abby (Me) entra na casa do Oskar/Owen sem ser convidada e começa a sangrar (um dos posters do filme).

A gente sabe que maioria dos vampiros só podem entrar em um lugar se forem convidados, mas eu nunca tinha visto em filme nenhum o que acontecia se eles não obedecessem. A outra lenda tratada no Right One e que é famosa cena que eu comentei ali em cima, a cena do banheiro, NÃO está em Me. Isso me deixou pra baixo, mas era de se esperar. Por algum motivo eu sabia que os USA não iam querer se aprofundar na questão do filme. Por mais que a Abby ficasse falando que não era uma menina, os USA preferiram dar a entender que ela se referia ao fato de ser vampira e não ao fato de os vampiros não terem sexo (lenda de Right One).

Outra coisa que eu percebi foi que no Me eles usam a palavra vampiro. Posso estar errada e me corrijam se esse for o caso, mas acredito que eles não mencionam essa palavra em Right One. USA querendo explicar as coisas .-.

O que me deixou mais mordida foi a ousadia dos USA de tentar dar uma explicação para quem era ‘o pai’. No original, tudo fica subentendido. Nos comentários na comunidade haviam várias teorias legais. Mas no Me eles basicamente disseram. Até achei legal a explicação, mas acho que isso quebra muito do clima do filme. Aliás, todas as explicações e facilitações do Me me deram nos nervos. Era como se eles achassem que eu fosse burra ou coisa do tipo. Mas aí lembro que eles consideram que grande maioria do público não viu o original, sem contar que, como mencionado mil vezes hoje, o povo americano é meio burro e prefere tudo explicadinho.

UPDATE

Esqueci de comentar mais sobre o ‘pai’. Me deixou irritada o fato de no Me eles explorarem mais a relação da Abby com o cara lá. No Right One eles quase não se falavam, se entendiam com poucas palavras, e a relação deles parecia ser boa, apesar de sempre ficar no ar o que exatamente eles eram um para o outro, o que eu achei muito bom. Já no Me não, eles interagem um pouco mais, mas dá pra ver que a relação deles não é boa. Ele já está cansado de servir a Abby e ela meio que esnoba ele. Pelo menos foi assim que eu vi. Sem falar que eles explicam, meio que subentendido, a relação dos dois, como eu já comentei aqui.

As atuações foram boas, no meu ponto de vista. Posso ser um pouco injusta por que pago pau pra Chloe Moretz (Abby), e mesmo a Lina Leandersson tendo toda aquela cara dura, ao mesmo tempo inocente, e ainda assim sendo fria, não acho que a Chloe Moretz tenha ficado para trás. Já sobre os meninos, achei a atuação bem parecida mesmo, levando em conta que alguma situações mudaram devido ao roteiro né… USA querendo ser MUITO dramático, acabou forçando um pouco as coisas, mas nada MUITO sério. Não consigui decidir qual foi minha dupla favorita. Talvez tenha algo a ver com os cabelos.

Let Me In tá passando nos cinemas de SP (morram) … e Let The Right One In tem dvd vendendo nos USA e provavelmente na internet. Se você tiver que escolher um pra ver, FIQUE com o original. Se não, vale ver os dois (mas o original primeiro) ;D

Sobre livros

Acho que é a primeira vez que vou postar sobre livros. Não que eu não goste muito… eu gosto. E, na verdade, não sei porque nunca postei sobre livros. Vai ver é porque eu sou fresca pra isso tanto quanto sou fresca pra comida.  Sofria na escola quando tinha que ler livros que não faziam meu tipo. Hoje em dia é um pouco mais fácil na faculdade… Melhor mesmo são os que eu escolho, e claro, não poderiam deixar de envolver Terror…

Quando eu era bem pirralha (leia-se 10, 11 anos) eu já lia \o/ E não, não era Harry Potter me senti velha agora. Eu lia uma série de livros chamada Arquivo Z. Era sobre um garoto que vivia altas aventuras HEHEHEHE. E tinha todo aquele Q de sobrenatural. Lembro que meu livro favorito era um que ele e um amigo achavam um livro falando sobre a experiência da alma sair do corpo e dar uma volta por aí. Passei bem uma semana tentando fazer aquilo. Depois não sei o que veio primeiro, Harry Potter ou O Diário da Princesa…. mas minha paixão maior sempre foi o Terror…

Um dos meus livros favoritos é O Iluminado (The Shining). Parece clichê né? Mas eu acho dificil achar alguém que tenha lido o livro. Mais dificil ainda é achar alguém que tenha lido o livro e não tenha gostado do filme tipo eu… Sim, grande parte das pessoas consideram O Iluminado o melhor filme de Terror/Suspense EVAH. Poxa, fala sério. Não consigo achar aquele filme nada demais comparado com o livro. Sem querer parecer convencida e desmerecer o Stanley Kubrick, mas eu teria escolhido muito mais cenas legais ao invés de ficar naquela enrolação e também SPOILER acho mil vezes mais legal o final flamejante do livro do que o final congelante e sem sal do filme. Mas quem sou eu né?

OK, essa foi minha brevíssima introdução no mundo dos livros. Na verdade o Post de hoje é pra falar de um livro específico, da Rosa Amanda Strausz, Sete Ossos e uma maldição.


Medo. Um medo avassalador, sutilmente construído. É isso que você vai sentir quando penetrar na atmosfera de ter­ror deste livro. Sem escapatória, completamente seduzido, vai entender que não haverá mais volta. O horror e o so­brenatural farão de você a sua morada. Para sempre. Maldição? Talvez redenção. A escolha é sua.

Sete ossos e uma maldição é um livro de contos de terror para jovens. São exatamente 10 pequenas histórias (no site dela diz 11, mas no livro digitalizado que eu tenho só tem 10 =/):

Crianças à venda. Tratar aqui

Esse é bem interessante. A história é sobre uma família bem pobre. Uma mãe e cerca de 5 filhos. Uma mãe que vende os filhos.  Algo mais sombrio do que o próprio fato sombrio descrito aqui.

“Todos disseram que Marialva era louca e desalmada quando ela pôs os filhos à venda. Até o padre tentou demovê-la de idéia tão cruel. Mas nada adiantou. A mulher era obstinada. “Quero que eles tenham um futuro melhor que o meu”, ela repetia.”

Devolva minha aliança

História envolvendo noiva e cemitério. Parece clichê. Mas parece que nada é clichê nas mãos da autora. Mesmo quando você tem certeza de que algo vai acontecer, quando acontece, você ainda sente aquele calafrio. Não é o melhor conto, mas vale a ideia.

“Pedro e Antônio foram criados na mesma rua, ao fim da qual havia um pequeno cemitério. Pequeno mesmo, assim como a cidade, que não passava de mil habitantes.

Os três cachorros do senhor Heitor

Uma casa mal assombrada, cachorros e senhor muito mal encarado. Fora o final. Sem mais.

“Quando Zé Luiz apareceu morto, atrás do banco da pracinha, a cidade toda correu para ver. Até aí, nenhuma novidade. Cidade pequena é assim mesmo. Morte é sempre notícia. Todo mundo quer olhar, dar palpite, fazer comentários e, no fundo, dar graças a Deus porque não foi ninguém da própria família.”

Dentes tão brancos

O nome dá a dica. História bizarra envolvendo dentes. Porque nada é o que parece.

“Andréia entrou em casa às três de manhã e encontrou sua mãe em pânico.

— Minha filha, o que aconteceu?

— Não sei.

Não era mentira. E estava perturbada demais para inven­tar uma desculpa qualquer.

— Como não sabe? Você sai de casa dizendo que vai a uma festa na casa da Mariana, desaparece sem dar notícias, deixa todo mundo preocupado e ainda diz que não sabe?”

O chapéu de guizos

Criança que ouve vozes, Chinês na parada…

“Ouço vozes. Sempre ouvi, desde muito criança. Para mim, nunca existiu nada de excepcional nisso. Aprendi a dialogar com elas, a perceber quando estavam só zoando de mim, quando falavam sério, ou quando refletiam apenas a solidão de seres exilados num mundo que ainda hoje não consigo adi­vinhar qual seja.”

Sete ossos e uma maldição

História que dá nome ao livro… me lembra histórias que ouvia quando era criança, sobre a boneca da Xuxa.

“Se não fosse pelos pesadelos que vinha tendo nos últimos dias, Clara não acreditaria na orientação recebida da tia. Mas eles não falhavam. Toda noite, uma mulher surgia no meio de seus sonhos e sussurrava: “Meus ossos.” Não conseguia ver o rosto da mulher, nem mesmo suas roupas. Só uma silhueta ameaçadora. E apavorante. Invariavelmente, acordava enso­pada de suor frio.”

O fruto da figueira velha

Desculpem minha imaginação fértil, mas essa história me lembra algo de O Anticristo ( The Antichrist)….

” Denise não acreditava em casa mal-assombrada. Não há nada que dez baldes de tinta fresca não resolvam, costumava dizer. Além disso, ficou louca quando viu o casarão à venda. Era sim­plesmente espetacular. Tinha um excelente terreno para fazer jardim e quintal, três salas imensas, cinco quartos, três banhei­ros e vários cômodos que poderiam ser adaptados. O lugar per­feito para uma recém-casada que pretendia ter muitos filhos.”

A procissão

História tensa. Achei legal e diferente.

“Eram quatro amigos, todos estavam na mesma rua deserta no meio da madrugada, mas foi só Adriano quem viu a procissão. Nem Tomé, nem Carlos, nem Marita perceberam o moti­vo da perturbação do amigo, que parou, de repente, com os olhos arregalados na direção do fim da rua. Bem ali, na curva, ele viu surgir um estranho grupo de mulheres.”

Morte na estrada

Levemente clichê e minha favorita. Vai entender.

“Imagino que todo mundo conheça a história da assom­bração da estrada. Eu conhecia desde pequeno. Meus pais também. Era assim: uma família viajava de carro quando sur­gia uma mulher desesperada à beira da estrada. Pedia socorro, dizia que tinha um carro caído na ribanceira próxima dali com três crianças feridas dentro dele. A família parava e ia até o local. Ao chegar lá, descobria um carro acidentado.”

O elevador

13°, Não? Ok, não. Um elevador com vida, maybe…

“O prédio era bem antigo. Oito andares. À época da constru­ção, foi considerado um dos mais luxuosos da cidade. Em 1930, nenhum edifício tinha oito andares, porque ninguém queria subir tanta escada, e elevador custava muito caro. Além disso, as pessoas tinham medo de subir tão alto naquela caixa de madeira — que, ainda por cima, nos primeiros tempos, vivia enguiçando. Por isso, além de elevador, o prédio também pos­suía um ascensorista, que trabalhava uniformizado, vestido como se fosse um general em dia de festa.”

O bom dos contos é que você vai direto ao ponto na história. Sem muita enrolação e informação desnecessário. A parte ruim desses contos é que eles acabam na hora H. Você tá lá desejando que tenha só mais um pouquinho de história, mas era isso. O resto fica a cargo da sua imaginação. Leiam cara, vale a pena!

Sobre a autora, uma breve história: nasceu no Rio de Janeiro, em 18 de junho de 1959. Formou-se em Jornalismo pela Escola de Comunicação Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Após trabalhar em diversos órgãos da imprensa, dedicou-se exclusivamente aos serviços de texto em suas diversas feições: redação empresarial, roteiros, webwriting e projetos editoriais.(http://www.bmsr.com.br/autores/detalhe_autor.asp?cod=Rosa%20Amanda%20STRAUSZ )

Ela também tem um blog que serve de site:

http://rosaamandastrausz.wordpress.com

Espero que curtam e até a próxima!

Halloween makeup.

Estamos na metade de Novembro. Um dia a mais, na verdade. Que feio pra mim né? Que hoje chego com aquele post prometido a mais de um mês atrás.

Então vamos lá. Falar de Halloween. Eu fui a três festas diferentes: Uma festa de escola de inglês, uma festa alternativa e a Zombie Walk da cidade. Particulamente, a minha preferida foi a festa alternativa. Fui fantasiada de Alice de Resident Evil…. Anyway, vou falar mesmo da minha (preparação e) fantasia da Zombie Walk.

Já tinha algumas coisas de maquiagem né, mas decidi encrementar com GELATINA. Vamos lá ver como ficou essa onda:

1. Gelatina

Então… a onda de fazer a pele desconfigurada é com a gelatina. Depois de umas pesquisas, descobri como faz. Primeiramente precisamos de alguns (3,4) saquinhos de gelatina em pó incolor, como nessa foto aí de cima. Depois que você coloca ela numa vasilha, você adiciona água… Mas não muita água… umas 3, 4 colheres de sopa de água pra cada saquinho que você vai usar. O resultado tem que parecer com isso:

Sim, essa gororoba da primeira foto da esquerda para a direita. Em seguida, você usa o microondas (ou o fogão mesmo, coloca a vasilha em banho-maria) pra derreter a gororoba note que o tempo que você precisa pra esquentar está no próprio microondas... e ela fica parecida com essa figura mais embaixo ( você obviamente pode clicar pra ampliar ;D). Até aí, tudo xuxu né?

Tirou a gororoba do microondas, dê várias mexidinhas com a colher, pra dar uma LEVE esfriada. Sim, leve por que se esfriar demais ela endurece =( E sim, ela vai estar levemente quente quando você i colocá-la na sua pele. Mas relax, é bem menos pior do que depilar com cera, não queima nem nada ( claro, se você mexer com a colher por quinze segundos né). E aí você aplica a jello com a colher nas partes do seu corpo que você vai deformar:

Eu escolhi maior parte da minha perna porque minha fantasia era curta. Mas usei no braço também e você pode escolher outros lugares. E aí depois de ficar toda trabalhada na gelatina, esperei esfriar né. Pra não perder tempo, já que pra variar eu estava atrasada, fui fazer o resto. E por resto entenda maquiagem.

2. Maquiagem

Então, não sei porque no dia não estava na vibe dos hematomas que tanto curto… Acabei ficando mesmo só na brancura e no sangue. Mas queria ser uma zumbi real, daí passei a maquiagem branca em quase toda a extensão do meu corpo que a fantasia deixaria a mostra.

FOTO BIZARRA. Por favor, ignorem minha cara. Lembrem-se de que eu estava me maquiando e tirando foto, além de estar mega atrasada pra fazer poses lindas. Então, com o pigmento branco consegui pintar meu rosto todo e o meu colo, com os ombros e tudo mais. Fiquei pálida. Nessa foto também da pra ver um pedaço da minha fantasia né?

Então, depois da palidez passei pra parte punk. Tinha menos de 30 minutos pra terminar tudo e ainda queria algo meio gore. Só a pele deformada de gelatina não ia ficar legal não. Então tentei fazer um corte no pescoço:

Deus abençoe o látex. Muito legal mesmo mexer com ele. As fotos não ficaram 100% boas e ainda estão escuras, mas clica ae pra ver melhor né. Apenas fiz passar umas três pinceladas no pescoço, pra ficar ‘grosso’, e com um palito, fiz o ‘corte’. Esse é outro que tive que esperar secar e tal. Não demorou muito na verdade e aí já estava quase tudo seco e pronto, faltando o toque final né.

3. Sangue

Então, faltava apenas me ensanguentar. Parte fácil e legal. Com o sangue teatral comestível e o sangue da Slug, foi muito fácil e legal me sujar. Não tem mistério, foi só passar por cima da pele deformada e do pescoço e pronto:

Legal né??? Eu adorei… não vejo a hora de usar essas maquiagens de novo. E pra ver minha fantasia final, clica aqui.

E ah, se interessou pelo pigmento branco e o sangue Slug? Só visitar: SLUG.

Agora sim, acho que volto aqui com mais frenquência =D

October 1st

AAAAAAAE chegou o mês mais legal do ano \o/

Como deu pra perceber, me amarro em Halloween/Terror/Trash e afins. Esse mês vou fazer um especial com vários posts sobre isso! ( se tudo der certo, um post por dia =O)

Então pra começar, uma historinha.

Estava lá eu quarta feira, morrendo de vontade andar de patins. Peguei o patins e olheio pro equipamento de segurança. Bateu AQUELA preguiça de colocar tudo, dae pensei ‘ ah, só uma voltinha, nem vou precisar’…. Nunca duvidem da Lady Murphy! Claaaaaro que levei uma quedinha de leve e ralei o joelho. Fiquei mó chateada porque nem ia mais poder depilar a perna com cera =x Mas aí lembrei da felicidade que o correio me trouxe:

Ai vendo meu ferimento na perna, tive a brilhante ideia de treinar meus dotes artísticos e tentar imitá-lo. Só que não ficou igual né. Mas e aí, alguém consegue descobrir qual é a fake e qual é a verdadeira?

Se você quiser chutar: http://twitpic.com/2t84ek . A foto está lá também.

Por hoje é só mesmo! Té mais!

Fim das férias.

Hoje é o último dia das minhas férias. BAD NEWS?! O pior é que só consegui me matricular em três matérias =(  Mas o lado bom é que não terei aula dia de sexta \o/

Anyway, vim aqui pra fazer aquele post de despedida… Mentira, vou continuar postando aqui, só que com menos frenquencia…ou não.

Vamos lá então. No começo das férias eu postei uma lista do que eu queria e tinha que fazer nas férias né???? Pois é…. Não fiz NADA daquela lista x= SHAME ON ME. Mas HAN, tá pensando que eu desperdicei minhas lindas férias????? SHAME ON YOU.

Aqui vai primeira listinha de hoje:

Coisas que eu FIZ nas férias:

– Vi muito filme;

– Fui pra fextinha da Olívia (mas não pra que era surpresa =/)

– Comecei a providenciar minha fantasia de Halloween;

– Fiz planos pro final do ano;

– Arranjei um emprego;

URRUL o/

OK, nem foi TÃO produtiva assim né? Mas poxa, sofro de preguiça crônica, quem foi que acreditou mesmo que eu fosse fazer tudo daquela lista??????? Eu QUAAAAAAAAAAAAASE acreditei….mas anyway, não desperdicei minhas férias não. Mais do que fazer planos, coloquei eles nos trilhos já *-* FOR REALZ !!! E tem mais uma listinha fail né, a de filmes que eu disse que ia ver:

Filmes que eu PRECISO ver nessas férias:
– Martyrs; (ok)
– Antichrist;
– Inside (A Invasora); (ok)
– American Psycho; (ok)
– The Collector;
– IT ( A Coisa);
– Lost Signal;
-Ichi the Killer;

Ai você fica POOOOOOOOOOOOOOOOOOOOORR sua FAIL. Ai eu digo, poxa. Agora mostro outra lista…

Filmes que eu VI nas férias:

– Martyrs;

– Inside (A Invasora);

– American Psycho;

– Noroi;

– The Ruins;

– Eden Lake;

– Inception;

E como sou legal e quero fazer um post mais decente do que só listas, vou falar um pocuzinho de cada um. As minhas ‘reviews’ são meio spoilentas, então se você pretende ver qualquer um desses filmes, não leiam elas até o final.

Vamos por ordem do pior pro mais legal.

THE RUINS (As Ruínas)

Assisti porque curto PACAS a Jena Malone. Aliás, resolvi baixa-lo adquiri-lo para minha coleção depois do post lá que falei dela. A sinopse encontrada na net é

“Um grupo de amigos a passar férias no México começam a viver um autentico pesadelo quando decidem aventurar-se com um amigo turista numa missão arqueológica para as profundezas da floresta onde algo diabólico vive entre as ruínas.” (www.filmes-de-terror.com)

Na real o turista não é amigo coisa nenhuma. Eles se conhecem na piscina do hotel. O cara chega com um papinho de “Pô, meu irmão saiu pra ir encontrar essas ruínas SUPER SECRETAS e tal…E eu tô indo amanhã lá encontrar ele…” Ai a galera se amarra e se joga na onda. (SPOILERS FROM NOW ON) Aí colega, eles se juntam com um guia e vão. Aí chegam nessa ruína maluca e do nada aparece uma gangue galera que aparentemente mora nas redondezas… E eles estão armados e apontando pro grupo lá. Nessa de tentar conversar com os caras, o grupo percebe que eles não vão se entender nunca, já que a galera não fala inglês nem espanhol… Ai eles ficam lá tentando conversar, até que a Jena Malone, super esperta, começa a tirar fotos!!! Ai eles se estressam e tal… Ai o guia chega perto da Jena Malone e pega a câmera dela. O grande detalhe dessa cena, que você só vai entender no final, é que quando o guia chega perto da Jena Malone (que responde por Amy no filme) ele vai bem perto da ruína, onde tem umas plantas locas. Ai quando o guia faz que vai entregar a câmera pros caras… Eles atiram!!!! E pelo jeito que mostram isso, você já saca que o filme não é pouca coisa não, tem uns Q’s de Gore nessa cena.Ai todo mundo corre pra ruína (que tem uma escada, saca só) e ai lá em cima eles acham um poço no meio da ruína (que é tipo uma pirâmide) e o irmão do turista lá, que tá mortinho. Ai o filme vaaaaaaaaaaaaaaaai e acaba e pronto né. O que faz esse filme ser não-tão-ruim-assim é a cena de amputação. E outra, quando eles acham o poço, eles ouvem um barulho de celular… Ai né, eles querem descer, pegar o celular (pq os deles não pegam lá, CLARO) e ligar pra emergência. Ai quando finalmente conseguem descer lá, descobrem que na real não tem celular nenhum lá, que aquele barulho é produzido pelas flores das plantas que cercam a ruína HAUSHASHASHAUSHUASHAUSHAUSHAUSHAUSH muito punk isso. Sem falar né, que as plantas são o vilão do filme, elas tem vida própria, entram na sua ferida e procriam DENTRO DE VOCÊ. UHSAUHSUAHSUAHS. Tenso. Eu curti porque achei criativinho. Mas é só mesmo.

AMERICAN PSYCHO ( Psicopata Americano)

Eu quis assistir esse filme porque ele está na maioria das listas de filmes de terror/suspense/serial killer que eu vejo pela net (via StumbleUpon) e porque comecei a me interessar de LEVE pelo Christian Bale. A sinopse da net é esta:

Patrick Bateman (Christian Bale) é um corretor da bolsa de Wall Street e também um serial killer. Ele é jovem, bonito e rico, mas toda vez que encontra alguém que possui algum bem maior que o seu, Patrick se transforma em um violento e cruel assassino. Este lado criminoso passa despercebido sob o ar de yuppie certinho, mas o policial Donald Kimble (Willem Dafoe) desconfia que o rapaz pode ser o responsável por um desaparecimento que está investigando. (cinema.yahoo.net)

Errr… Não sei o que eu esperava desse filme. Definitivamente foi provado que o Christian Bale sabe atuar. Bizarro ver um serial killer metrosexual. SUAHSHUAHSUAHS. No todo é um filme legal, interessante. Tem umas cenas bem legais e as mortes também não são pouca coisa não. Achei o final mucho loco. Nem eu entendi (Y) Mas juro que não é porque sou burra, é só porque, assim, não me deu vontade de ficar pensando muito depois do filme não. Mas é bom sim.

À L’INTÉRIEUR (Inside/A Invasora)

Como deu pra notar, esse é francês. TENSO. Devo dizer que o que li sobre ele na comu dos brothers (TGTG) foram maioria críticas. Quase ninguém curtiu. Acho que o único ponto do filme é o GORE. Anyway, vamos à sinopse da net:

Sarah, uma jovem fotógrafa, está sozinha na noite de Natal. Ela está assim desde que seu marido morreu num acidente de carro. Só e grávida, recebe apenas as visitas de sua mãe dominadora e de seu chefe egocêntrico. A noite de Natal é o último dia antes de ir para o hospital ter seu bebê.Mas o silêncio de sua casa é quebrado quando uma misteriosa mulher bate à sua porta. Sarah desconfia e não atende. Todavia, a mulher se recusa a ir embora. Quando as coisas começam a se complicar., Sarah fica temerosa e chama a polícia, enquanto a mulher a observa pela janela. Ao chegar, a polícia não encontra a mulher em lugar algum e, depois de tranquilizá-la, vai embora. Sarah fecha a porta, sem saber que a mulher está dentro de sua casa. Enquanto a noite se transforma numa longa luta entre as duas mulheres, Sarah faz tudo o que pode para se proteger dos ataques, até sentir as primeiras contrações… (www.interfilmes.com)

Mucho Gore. É o resumo do filme. Acho que o que me deixou mais aflita e blablabla é o fato da ‘mocinha’  estar grávida. Bizarraço. Até porque o filme gira em torno deste fato. (SPOILERSSSSSSS) O começo é aquele típico que dá A dica pro final, só que aqui ele não é exatamente óbvio. Vou contar tudo logo hein. O filme começa com um acidente de carro. Nós vemos logo a mocinha lá machucada (e grávida), no volante e seu marido ao lado, morto. Aí eu não lembro exatamente o que vem em seguida: a cena de um bebê dentro do útero (acreditem, virão mais cenas desta) parando de se mexer ou a câmera se afastando da cena do acidente, mostrando os dois carros batidos. Sei que depois tudo escurece e aí começa o filme de novo. A história é simples. A mocinha, Sarah, está no último dia de gravidez que é, tipo assim, o NATAL. E aí ela vai pra casa pra dormir e esperar o dia seguinte pra ir pro hospital no dia seguinte ter o bebê. Só que ela nega a companhia do amigo e chefe dela e da manhã, querendo passar o natal alone. E todo mundo aceita, depois de relutar um pocozinho. E aí ela tem um sonho BIZARRO e nojento. E aí a história toda se desenrola e acaba. A invasora na real é a motorista que tava no outro carro que a Sarah bateu e o bebê que para de se mexer (morre) é o dela, no acidente. Ai ela vai atrás da Sarah e quer roubar o filho dela, nada mais justo.Os pontos altos desse filme: todo o elenco morre exceto pela invasora(que tá deformadíssima) e pelo bebê. A Sarah começa branca e termina…. meio …. muito suja. E é isso. Galera curte o filme por causa do Gore (dá pra fazer os mais fracos vomitarem facinho), mas dizem que a história é fraca. Eu concordo.

EDEN LAKE (Eden Lake mesmo eu acho.)

Rapaz. Digo logo que esse filme empata com A Invasora. São dois estilos diferentes, mas na minha lista eu não consigo decidir qual eu odiei menos gostei mais. Esse é mais um oferecimento da TGTG. É um filme que divide opiniões ferradas. Anyway, vamos pra sinopse e depois eu conto TUDO.

Um Jovem casal resolve passar o fim-de-semana num lago, formado numa antiga pedreira, longe de tudo e de todos. Mas o que parecia ser um fim-de-semana paradisíaco, transforma-se num inferno quando os dois encontram um grupo de jovens e passam a ser aterrorizados por estes. (cinematerror.blogspot.com)

Então… nem lê aqui que eu acho que vou contar maior parte do filme. Vou começar pelo fim. CARA, assim que terminei de ver, me deu uma raiva sem noção. Não sei se era pelo final ser uma merda coisa indigna ou se era porque o filme foi meio ruim mesmo. O final definitivamente é o divisor de águas opinões.

Pôxã cãrã depoix de tudo que a Jenny passou, ela ainda se feerra broooooootherrrrrrrr

OK. vamos aos fatos. Jenny e Steve formam o jovem casal. E todos nós que vemos o filme sabemos que ele quer levar a Jenny para estas ‘férias’ românticas porque ele quer… casar com ela. O lugar é bonitinho mas a paz deles acaba logo muito cedo, quando a gente conhece A GANGUE. Um bando de muleque chato que se acham os últimos Revolts do planeta. E aí eu não vou contar a história tin tin por tin tin porque né, se eu to cansada de escrever, você provavelmente tá cansado de ler e ainda faltam … três filmes…. hum, dois. O fato é que os aborrecentes realmente se tornam MUITO chatos e bizarros e e e e tudo serial-killer-wanna-be. PAPO. Eles enchem o saco e roubam o carro do casal. Aí o casal vai atrás deles. Aí o  manda chuva da da gangue ameaça o Steve com uma faquinha, ai eles lutam e o cachorro acaba morrendo USHASHUASHUASHAUSH. Ai o cabeça da gangue e dono do cachorro, o Harry( o ator que faz o Harry ganhou como melhor ator no Fantasporto Awards de 2009!!!), fica putinho e se joga na ira. Aí o casal foge e é infernizado na floresta. O legal desse filme, e o que acabou me atrapalhando, é que a gente se envolve com ele, o nosso ódio CRESCE e a gente quer arrancar a cabeça do Harry com as próprias mãos. Na real a galera da gangue são os amigos aterrorizados do Harry, que fazem tudo o que ele manda pra não sofrerem as consequencias. Na maior parte do filme as atrocidades são cometidas pelos membros da gangue, sempre seguindo ordens do Harry, mas acaba que ele próprio só suja as mãos lá pro final do filme. O Steve acaba morrendo e a Jenny consegue matar dois pirralhos. E é ai que tudo se confunde e a gente (eu né) se sente na pele dela. A gente tá mó lá torcendo pra todo mundo morrer e quando ela mata, a gente fica PUUUUUUUUUUUU… sabe? Rola uma peninha né, porque no fundo a gente sabe que quem merece morrer esmagado é o Harry apenas…. E aí o filme acaba com ela tentando buscar ajuda numa casa, que happens to be a casa dos pais dos pirralhos. Aí ela tá mó lá de coitadinha (toda trabalhada no sangue e na sujeira) quando um dos sobreviventes ligam e conta TU-DO. Aí todo mundo se revolts e ai pegam ela dentro do banheiro. E é isso que meio que revolta sabe? Mas de boa, outro final seria muito clichê né não? Ela se dando bem no final é o que todo mundo espera. Detalhe que eu esqueci de comentar antes: a Jenny é meio burrinha, meio lerda sabe? No meio do filme eu me vi gritando: POOOOOOOOOOOOOOOOOOR SUA LEEEEEEEESA COOOOORRE DAÍ SUA ABESTAAAAAAAAAAADA, NÂO FICA PARADAAAAAAAAAA! …. Bem anos 80. UHSAUHSUAHS x=

NOROI ( The Curse/ Noroi mesmo)

Noroi é um filme de terror japonês. Fato que eu não sei o que quer dizer Noroi for realz. Então se tiver algum universitário me lendo, dê a dica, please. Sinopse:

» Sinopse: Apresentador de TV que investiga casos sobrenaturais aparentemente sem ligação, descobre que um antigo demônio é o responsável por mortes e acontecimentos bizarros. (cinemalibresa.blogspot.com)

Antes de tudo: filme a la Bruxa de Blair. Vou admitir algo MUITO comprometedor da minha parte…. Fiquei sem dormir depois que vi esse filme. USHAUSHAUSHUASHUASHUASHUAHSUAS. Sério. Não é porque ele é poooooorramuitomedonhodoinfernosocooooorromesalva , é porque a minha mente sometimes funciona que nem a mente de uma criança… Ela tem um dispositivo que eu não sei desligar e que me faz acreditar em tudo USAUSHAUHSUAHSUAHS Sabendo disso como eu sei, vi o filme de tarde, depois do almoço né, pra não ter problema. MAS QUEM DISSE QUE ADIANTOU? Lá estava eu acordada até o dia amanhecer, pra dormir no clarinho ¬¬ Anyway, deixando minha barezisse de lado, vamos aos fatos e spoilers. Quando li sobre o filme, vi mt gente falando: É mistura de Paranormal Activity com Bruxa de Blair. Ai eu POOOOOOOOOOOOOOOOOO vou ver né, porque como sou uma mera mortal, eu curti os dois filmes citados ;B (é pq OS BONS, eles acham que A Bruxa de Blair é um c* e só CH presta)… E num é que é?! No filme tem duas cenas que são A CÓPIA dos filmes citados. Eu ri, olha… A cena da menina lá sendo filmada não tem nada demais. Ela tá lá dormindo, ai acorda, fica parada por um tempinho… ai vai na varanda… ai eu POUTZ… (só que eu esperta li spoiler e sabia que ela ia sobreviver) … Ai ela volta da varanda e dorme. E a cena da Bruxa de Blair CAAAAAAAARA me emocinei… parece mesmo com essa cena:

Tirando a barraca, os gritos, as vozes… só mesmo a correria parece =D Anyway, a galera morre, menos a garota lá… E eu fiquei meio assim sei lá com pombos =x PRÓXIMO.

MARTYRS (Acredito eu que não tem no Brasil, mas  a tradução é Mártir)

Logo de cara, pra quem não sabe, um mártir é, segundo o Wikipedia, uma pessoa que morre pela sua fé religiosa. Sendo assim, let’s move on…

Uma jovem está numa jornada de vingança contra aqueles que a sequestraram e torturaram quando criança. Ela e uma garota que também sofreu abuso se unem para encontrar os culpados, enquanto descobrem um inferno vivo de depravação e mutilação…(cinemedo.adorocinema.com)

Olha, dos fundilhos do meu core eu não achei esse filme punkizão. Achei ele muito bacana e original. E aí comecemos os spoilers. Olha, tem Gore de classe nesse filme. UAHUSHAUSHAUHS, quem sou eu no jogo do bicho pra falar nean, sou puramente uma iniciante na arte do terror e do gore e do suspense e e e afins… MAS como aqui é o meu lugar e o que vale é o que eu falo (BRINKS)… Sério, eu achei legal. Agora devo dizer que a Invasora tem MUUUUUITO mais gore e é muuuuuito mais nojento que Martyrs. Se é do vomita, vomita no primeiro que ainda passa. Mas nesse? Nesse não. Ai vai chegar alguém muito do seu informado e que viu o filme e vai me dizer que é chocante porque a mocinha lá fica sem pele no final e mimimi blablabla admite que vomitou. Ai eu vou dizer: maaaaanoooo, paaaaaara que esse não é o seu lugar. Nada contra quem tem estômago fraco. Eu tenho! Coloca vermes na tela que eu me tremo todinha e fecho os olhos. Mas dizer que Martyrs é um filme que faz vomitar, aí é exagero escabroso.

Deixando meu xilique de lado, Martyrs é by far o melhor filme do gênero que vi nas férias. E foi eleito pela história em si, não pela quantidade de sangue ou nojeira. Achei que foi original, não pelo tema em si, mas pela forma como eles resolveram abordá-lo. Quem viu sabe/sente que o filme é dividido em duas partes. Pra não dar muito spoiler, não vou me aprofundar. Só digo que a primeira parte é sobre a garota de olhos claros e do lado esquerdo do poster e a segunda, dã, enfoca mais a garota do outro lado, o direito. Vi por aí moita gente falando que o filme é boom e que isso e aquilo, mas que a segunda parte é fraca, lenta, chata, monótona. Eu achei legal justamente isso… o filme ter separado as coisas. O punk e hardcore que o filme possui vai todo na primeira parte. Ai na segunda, a gente descobre e vê mais a história por trás de tudo. Bonito. Talvez fosse mais agradável se eles tivessem balanceado, misturado tudo e equilibrado as partes, mas eu sinceramente não vejo como isso teria funcionado. ANYWAY. Super válido. E USA, deixe esse filme em paz, vão catar gente criativa na terra de vocês ao invés de tentar copiar sucessos tá? (isso merece um futuro post….hum…)

O último filme que vi, duas vezes e contando, foi Inception. Já disse que não vou me aprofundar no assunto e já até indiquei um site maaaaaaaaaaaara que fala sobre ele. (vide post passado).

NOFAAAAAAAAAAAAAAAA ainda não vi esse post por inteiro, mas demorou quaaaaaaaase três horas para fazê-lo (eu enrolo pra caaaaaaaaacete) e o meu ombro está doendo de leve, o que indica que eu escrevi D +

Espero que compense!!! E claaaaaaaro, se gostar, ele =D Té mais galereeee