Sobre morar no Erre Jota parte II

Sexta feira, dia 21 de fevereiro de 2014 fez UM ANO que eu moro no Rio.

Coincidentemente acabou rolando um encontro de despedida do Diley (que eu conheço a pouco tempo, mas já considero ~pakas), então lá estavam eu, Diley, Jany e Luana comendo uma boa pizza em Santa Teresa.

Mas sim, um ano. Eu lembro que eu tinha feito um daqueles posts rápidos e rasteiros sobre morar no Rio, aí decidi fazer uns comentários sobre como estão as coisas.

“Meu patins novo chegou e ontem foi usado pela primeira vez (estou me sentindo um pouco Bliss/Babe Ruthless) …” Meus patins tem quase um ano, huh! Mas não me sinto mais nem um pouco Bliss/Babe Ruthless. Muita coisa rolou no Derby, e hoje em dia a verdade é que eu tô parada. Sem contar com um sábado de janeiro que rolou jogo, eu não patinei esse ano. Mas é provavel que eu volta ao ~normal, ainda amo Derby e faz bem pra saúde HAHA

“…e hoje foi a minha aula inaugural da pós.” VISH. Fiquei sabendo na aula da semana passada que nosso curso tá sem coordenador HAHA >( Mas o que importa é que em abril começa o ÚLTIMO módulo da pós :OOO E essa semana começa uma das matérias mais importante pra mim: Captação de recursos para eventos, que é sobre o que eu pretendo escrever no meu artigo de conclusão da pós (!!!!)

“Tive a certeza de que quero organizar eventos hoje, quando encontrei gente que parece comigo, e que levam realmente a sério o que muitos acham que qualquer um pode fazer a qualquer hora e em qualquer lugar.” Se eu tinha tido a certeza de que era isso que eu queria na minha primeira aula, imagina quando participei do meu primeiro festival de música!!! O Novas Frequências não é um festival grande em tamanho de público, mas o enriquecimento que ele trouxe pra mim, assim como traz pra todo mundo que tem contato com o mesmo, é ENORME. Amei muito todos os 10 dias do festival e tudo o que ele foi.  Esse ano é ~rezar pra ser chamada de novo \o/

“Ainda me falta um pouco de coragem (de vencer a preguiça) pra ir me aventurar por aí …” Esse item ainda precisa melhorar, mas considerando que entrei o ano super ~alegre, depois de ter ido numa festa em Santa Teresa, ter parado na praia, pulado ondinha, caído e muito mais, dá pra ver que tô no caminho certo.

Morar no Erre Jota tá sendo isso mesmo, não é minha cidade ideal, não é o clima ideal, nem todas as pessoas são legais (cariocas e seu estilo único inconfundível) mas vem se mostrando uma ótima aventura, para o lado bom E ruim. Vamo só ver se dura até a próxima? HAHA

Diário de uma preguiçosa

Olha, vontade de escrever não falta, problema sempre vai ser a preguiça.

Mas falando sério, até que tô melhorando. Entrei na academia (apesar de ainda não ter conseguido ir todos os dias da semana), tô estudando direitinho, indo aos treinos (quando não estou ~trabalhando ou viajando) e até consegui me comprometer com o derby ainda mais.

Falando nisso, faltam 34 dias pro Brasileirão de Roller Derby. Esse ano vai rolar ~campeonato ( infelizmente com poucos times, já que precisa de mais geeeente jogando) e bootcamp. A ideia de viajar pra SP com um grupão de amigas lindas que jogam pra caramba e são tudo de bom é bem feliz. Mas, pra ser sincera, achei que fosse estar mais empolgada. Primeira vez que vou jogar ~sério, competindo (até comecei academia por conta disso), mas assim, tá faltando alguma coisa. Espero que eu descubra o que é até lá.

Ainda tô sem trabalho ~fixo, mas consegui fazer uma ponta no Rock In Rio e apesar de todos os pesares (pouco dinheiro, muito cansaço e algum aborrecimento) foi demais, definitivamente o que eu quero fazer. Mas por enquanto tá difícil conseguir algo na área, o jeito está sendo procurar qualquer coisa mesmo que me ajude a me manter no Rio.

E vai rolar uma reforma no apartamento onde tô morando. Tô super empolgada, adoro mudança de visual e não vejo a hora de dar um up aqui. Tadinho, o ap é bem mais velho que eu e faz um bom tempo que não rola uma reforma (se é que já rolou alguma vez na vida).

Planos para 2014 já estão rolando. O que me fez pensar sobre anos bons e ruins. Um dos melhores anos da minha vida foi 2004. Nessa altura do campeonato nem lembro bem direito o porquê, só sei que por bastante tempo tive essa impressão. Eu estava na oitava série, estudava de manhã no Auxiliadora pela primeira vez e o Rogério ainda era uma grande parte da minha vida. Devia ter algo a ver. Não sei. Daí não lembro muito bem das coisas, porém parece que os anos ímpares começaram a fazer mais diferença: 2005 mudei de escola, fiz 15 anos (e papai morreu :////), 2007 entrei na faculdade, 2009 fui pro Canadá *-*, 2011 passei meu niver em NYC num show de uma das minhas bandas favoritas… e 2013 me mudei pro Rio e participei do RiR. Mas tenho a forte impressão de que 2014 vai ser um desses anos que vai marcar, estilo 2004, mesmo que seja por algo que eu não vá mais lembrar em dois, três anos. O que importa é que a sensação é boa e que tem tempo pra fazer as coisas realmente acontecerem ano que vem, mesmo sendo um ano par.

E é basicamente isso. A preguiça continua ditando minha presença aqui, mas quem sabe né. Talvez eu volte com mais frequência pra falar de coisas aleatórias da minha vida. Ou até de coisas mais interessantes do mundo, como a minha próxima fantasia de halloween HEHHE.

Atualizando…

Pois é, muito tempo se passou e esse é o segundo post de 2012.

Acontece nas melhores famílias.

2012 vem sendo um ano muito bom, terminei a faculdade, assisti o show de uma das minhas bandas favoritas, conheci uma cidade nova dos EUA (Chicago), assisti a um jogo de Roller Derby, conheci minha atleta favorita lá…E ainda faltam dois meses e uns quebrados pro ano acabar.

Vamos ser mais específicos. Terminei a faculdade em junho. Tirei 9.8 no meu trabalho de conclusão de curso. Pra ser sincera, foi só ai que o ano realmente começou pra mim, nem lembro o que aconteceu nos meses antes (só a agonia de terminar o trabalho). Aí em agosto fui pra Chicago, pro Lollapalooza. Assisti show do Metric, Band of Skull e um pedaço do show do Jack White, entre outros tantos.

De lá, fui para minha querida NYC. Como sempre, uma aventura diferente. Dessa vez foi o calor. Cara, NYC no verão agora só por um ÓTIMO motivo, fora isso, nem rola mais. Em NYC rolou show do The Drums com Bloc Party, e rolou Roller Derby também *-*

Brooklyn Bombshells x Bronx Gridlock

Suzy Hotrod!!

Depois que eu voltei de viagem, rolou a colação de grau. Estaria oficialmente livre da faculdade. E aí foi que eu comecei a viver. Parei de dar aula de inglês, voltei a praticar Roller Derby (parei por causa do TCC =/), ver séries, ficar acordada até tarde, sair todos os dias…

E agora tô aqui, ainda aproveitando essas férias. Acho que até ano acabar, ainda volto aqui pra falar do mundo de séries que tô vendo =D

Roller Derby, Brasil!

Muita coisa pra contar, pouco tempo pra postar.

Basta dizer que eu viajei. Acho que nem comentei isso né? Por exemplo, post passado. Eu assisti Let Me In em São Paulo e nem falei nada, ou falei?

Anyway, o fato é que eu viajei, e voltei cheia das novidades (nem tanto). Hoje a novidade é Roller Derby. Quem não me conhece ao menos deve ter notado o banner do blog e visto algo lá sobre o assunto. Ou não. Fato é que encontrei o esporte pra mim (já cheguei a amar e jogar basquete, mas nunca fui boa .-.). Sempre andei de patins quando era criança. Agora descobri esse esporte e não quero mais largar.

Não vim aqui pra explicar nem ficar babando ovo do Roller Derby, ahhaha. Se você nunca ouviu falar, ir aqui é um bom começo. Queria mesmo falar é do esporte no Brasil. Ok, pra ser mais específica, sobre o treino que eu fui ver das Ladies Of Hell Town, a liga de Derby de São Paulo.

As Ladies formaram a primeira Liga de Derby no Brasil. Batendo um papo super informal com as meninas, descobri que já faz mais ou menos 2 anos que a Liga foi criada (é isso mesmo?).

Elas treinam de acordo com as regras da WFTDA, ou Women’s Flat Track Derby Association, que consiste basicamente numa associação de roller derby para mulheres, ou seja, eles fazem as regras, apoiam times e promovem campeonatos. Vale lembrar que, como o nome diz, a WFTDA é a Flat Track, ou pista plana.

As meninas da liga são muito legais, sério. Quando cheguei lá, só tava a Beatriz e o treinador (!!!), o Denis. Gente muito simpática. Depois chegou a Becki e o restante das meninas.

O treino começa. As meninas se aquecem com e sem patins. Dá pra ver que elas levam a sério mesmo a parada, afinal esse ano haverá a primeira copa mundial de Roller Derby, em Toronto, e as meninas tem tudo para participar. Aliás, não poderia deixar de comentar o evento que as mesmas estão organizando para julho: Bonnie D. Stroir Bootcamp

Se você não está por dentro do mundo Derby, você provavelmente não sabe quem é Bonnie D. Stroir. Uma das melhores e mais antigas jogadoras da nova geração do Derby, apenas. Esse Bootcamp vai ser um sonho pra quem realmente quer levar o esporte a sério e entrar num time de verdade (tipo…EU). Infelizmente aqui em Manaus ainda não existe uma Liga formada, pelo simples fato de não haver gente interessada o suficiente. Digo, gente REALMENTE interessada. Uma pena pra mim, que terei que treinar all by myself. E aí vamos ver o que vem primeiro, um número de gente interessada o suficiente pra formar a liga ou eu me mudando pra um lugar que tenha uma liga. Anyway, não penso em desistir tão fácil.

E aí fica a dica pessoal. Mais uma opção de esporte badass especialmente para garotas *-*

 

Não deixem de curtir a pag. do FB do Roller Derby Brasil, nem das Ladies Of Hell Town!!