Sobre o Porto das Lajes.

Hoje o assunto é um pouco mais sério e o post mais longo . Esse é o meu relatório sobre uma palestra que teve na Uea. Ele está bem simples, mas possui algumas informações e algumas considerações, do meu ponto de vista.

“Relatório da Palestra sobre o Terminal Portuário das Lajes

O diretor da obra do Terminal Portuário das Lajes, Laurits Hansen, esteve na UEA – ESO para falar dos problemas envolvendo a construção do mesmo. Além de abordar temas gerais, como a economia local e a logística mundial atual, ele descreveu o projeto e citou os benefícios que ele irá trazer para a população de Manaus e do Estado do Amazonas, além de explicar melhor o motivo da polêmica no qual o projeto está envolvido.

Ele começou citando dados da economia local, como o PIM de 2008, que foi de R$ 30,1 bilhões de reais. Grande parte dessa quantia advém da demanda por movimentação de material, tanto indo quanto vindo. O fato de grande parte dessas cargas serem volumosas e pesadas abriu margem para se falar do transporte utilizado, grande parte são carretas. Laurits enumerou algumas das desvantagens desse transporte relacionada à carga que tem que ser transportada. A principal de todas é a distância percorrida, que é muito grande. Ou seja, transportar cargas volumosas em carretas por distâncias muito grande vem acarretando muito prejuízo.

Ainda dentro do assunto distância e localidade, ele comentou que muitas pessoas, inclusive moradores da região, afirmam que o Amazonas, que Manaus é longe. E ele questiona: longe do quê? Da onde ? Se seguirmos sua linha de raciocínio, a China é longe, e não o Amazonas, que fica no meio do caminho entre os dois oceanos, entre os dois hemisférios. E assim como a China vem ganhando seu espaço no mercado internacional, o Amazonas pode também vir a ganhá-lo, ainda contando com algumas facilidades as quais a China não teve.

Laurits ainda voltou um pouco e explicou por que a BR 319 não é a solução para o problema de transporte no Amazonas. Ele se diz a favor do empreendimento, mas diz que por si só essa obra não vai resolver o problema da distância, por favorecer o uso das carretas e caminhões no transporte, o que ele já havia comentado ser uma desvantagem.

A respeito do Terminal Portuário das Lajes, Laurits forneceu todo o tipo de informação: desde a empresa responsável pelo projeto, a Log In Intermodal S/A , até os benefícios para a população, principalmente para a comunidade da Colônia do Aleixo, onde é situada a obra. Dentre as questões polêmicas, como a localização, ele explicou e mostrou que a obra se encontra abaixo da localização do Encontro das Águas, logo não teria como influenciar ou danificar a area. Ele acrescentou ainda que aquela localização é única na cidade que favorece a construção do Porto, por questões de terreno e logística. Ele também apontou que já existe portos e construções na margem que fica próxima ao Encontro das Águas e que oferecem sim risco para a área. Com isso, ele fechou a questão da localização.

Laurits fechou a palestra comentando sobre o grande erro cometido por ele e pela Log In: não se comunicar com a população. Ele alegou que achava que o projeto seria bem recebido por todos, visto os benefícios que traria para a região. Mas não contou com a concorrência que estava preocupada em perder mercado e logo apontou os possíveis danos ambientais que o projeto iria trazer para a cidade, convencendo a população de que o projeto era inviável.

Espero que isso dê uma clareada nas ideias ;D

Anúncios