AHS, Melancholia & Ano novo

American Horror Story Season Finale + Season 2

Se você ainda não viu o final de American Horror Story, nem leia.

Demorei uns dias pra realmente decidir como eu me sentia em relação à série. Primeiro, o season finale. Senti a mesma coisa que senti no primeiro episódio: TOO MUCH INFORMATION. Foi a junção do final da história dos Harmons + uma nova leva de personagens, a nova família da casa. Muita gente, pouca história. Foi legal, e a príncipio, serviu pra desguiar todos nós, fãs. Digo desguiar porque aquele final deixou a ideia de que na próxima temporada a gente realmente veria uma nova família na casa, convinvendo com os Harmons fantasmas. Pois é, Ryan Murphy, que não é nem um pouco besta, deu um tapa na cara da sociedade e decidiu que uma família nova pra casa era pouca coisa. Bom mesmo era recomeçar a série do zero: novo elenco, novo lugar pra assombrar.

Eu levei um tempo pra aceitar a ideia, mas sempre soube que ele estava certo. O nome da série é AMERICAN HORROR STORY, ou Estória de Horror Americano. E aí cabe vários tipos de histórias, não somente da família Harmon ou da Murder House.

Já se sabe que foi um bold move, uma cartada arriscada, visto que os fãs estão indo a loucura com ideia de perder Tate/Violet, Moira, Constance e os outros personagens. Eu realmente não me sinto assim. Claro que gostaria de ver mais sobre alguns personagens, acho que ainda podia render histórias muito boas, mas ok, move on. Não sou tão fechada a mudanças. Acho que rola dar uma chance a série ao invés de sair gritando por aí que agora odeia o que antes dizia amar. Passei minha infância toda ouvindo ‘você deve experimentar antes de dizer que não gosta’… então nesse caso, eu digo o mesmo pra vocês, principalmente aqueles que são (ou se dizem, ou se acham) fãs de terror e apreciaram as referências e boas músicas da série!

Melancholia

Mais um filme do grande Lars Von Trier. Eu já tinha lido sobre o filme principalmente porque é com o Alexander Skarsgard, aquele ator lindo e maravilhoso que eu perdi a chance de conhecer por pura preguiça (sim, me odeiem) e a sinopse era algo assim: bla bla bla  a colisão da Terra com outro planeta…

Enrolei o mundo pra ver esse filme, apesar de ser bastante ‘apelativo’ (pro meu gosto, é claro). Aí um dia me deparei com uma resenha que dizia a “os primeiros 8 minutos do filme estragam a história porque mostra como vai terminar…” E o texto era de um psicólogo que estava analisando o filme… Foi assim que eu decidi que tinha que ver, porque estou cansada da opinião cheia de si de psicólogos que não se dão o trabalho de ler a sinopse do filme ou então não entendem que se o final aparece no começo, provavelmente é porque não era pra ser segredo nenhum. Minha opinião, vale ressaltar, não tem nada de cult, de esperta, de nada. HAHA.

Anyway, voltando a falar do filme. Uma coisa é fato pra mim: filme do Lars é muito dificil de ver pra mim. Não por causa do conteúdo em si, mas porque acho uma viagem extremamente cansativa. Ainda assisto porque depois que você sobrevive ao cansaço, em algum ponto as coisas começam a funcionar e você acaba entendendo alguma coisa. Com Melancholia, o que eu mais gostei foi a forma como ele representou o fim do mundo. Uma forma simples, sem muito estardalhaço, se focando mais no problema das personagens do que no fato em si, que seria a histeria. Não sei dizer ao certo se o papel de Kirsten Dunst foi realmente dificil pra ela ou se ela apenas não era a atriz para ele. Na medida do possível, ela foi ok. Já a Charlotte, eu devo admitir que gostei bastante mais pelo fato de ela ter interpretado algo diferente do papel dela em Antichrist, que foi muito bom. Adoro o fato do Stellan Skarsgard estar no filme também, sou apaixonada por ele desde Dogville (‘aquela’ cena dele com a Nicole Kidman me ganhou =x)… E foi só nesse filme que percebi o sobrenome dele e achei que ele fosse irmão do Alexander… HAHAHAHA. A parte ruim do filme foi que os dois Skarsgard não apareçam bastante!

Ano novo

Bom, último post do ano, tem que falar aquelas coisas né. Bom, 2011 foi um ano e tanto pra mim, me superei. Agora é trabalhar pra que 2012 seja tão bom quanto. Devo dizer que só o fato de eu me formar no meio do ano que vem já é algo muito bom, visto que graduação = liberdade. HAHA. O problema é que eu ainda não sei exatamente o que eu vou fazer. Mas tem tempo pra pensar. Anyway, bom 2012 pra todos ae e vamo ver se vai rolar esse Apocalipse Zumbi hehehe ;D

American Horror Story – O tiroteio

Aviso logo, pra quem não está acompanhando essa série OU está acompanhando pela FOX, que ainda está no episódio 2, não leia este post, contem sérios spoilers.

 

American Horror Story – S01E07 Piggy Piggy

Nesse episódio começamos a ver o passado de Tate.

Quem viu, sabe do que eu tô falando. Não vim aqui falar do episódio em si, mas da polêmica em torno dele. Sim, Tate matou vários alunos em sua escola. E sim também, os criadores resolveram mostrar esse fato meio que detalhadamente.

Mas qual o problema? Sério! Claro que todo mundo lembrou da tragédia de Columbine, o que obviamente foi a inspiração. (e aqui abro parenteses pra mostrar minha extrema admiração pelas referências dos criadores. Columbine com The Breakfast Club foi uma combinação tremenda!).

“Alguém está atirando na escola.”

O que me deixou surpresa foi os artigos que vi por aí em repúdio à decisão dos criadores de expor esse tipo de cena. A primeira coisa em que eu pensei foi: 11 de setembro. Foi uma tragédia pros Estados Unidos e deixou o mundo perplexo, mas ai estão vários filmes falando sobre isso ou tendo os acontecimentos como história de fundo. Por que o preconceito com esse episódio desse seriado? Quer dizer que agora as pessoas estão limitadas a criar e apresentar somente fatos distante da realidade? Situações que nunca ocorreram na vida real, é isso?

Não me entendam mal. Tenho o maior respeito pelas famílias e pelos envolvidos nas tragédias, e imagino que devem ser no mínimo um choque quando você tem que reviver tal situação quando está assistindo TV na sua casa. Mas é só uma referência. Sim, uma bela de uma referência, com detalhes realistas, eu sei. Mas mesmo assim, é ficção. Não foi o Tate que matou aqueles alunos na vida real. É tudo história, um faz-de-conta de um seriado de terror, que tende a extrair o que tem de pior na humanidade.

Bom, pra quem se sentiu ofendido ou coisa parecida, eu só posso recomendar que não veja mais a série, porque pelo andar da carruagem, é bem fato que eles não vão parar por aí, o que eu acho uma atitude ousada e super apoio.

E preciso dizer que estou morrendo pra ver o episódio de hoje!

Seriados #2

Voltando a falar um pouco mais das novas séries que eu assisi.

– Once Upon A Time

Começou em 23 de Outubro, está no 1×03.

Uma das novas séries que trata de contos de fadas. A história começa com Snow White (Branca de Neve) casando com o Prince Charming (Príncipe Encantado). A Evil Queen (Rainha Má) aparece lá e promete que vai jogar uma maldição em todo o reino. Depois que a filha do casal nasce, a Evil Queen cumpre sua promessa e lança uma maldição onde todos o seres encantados do reino são obrigados a viver num mundo alterntivo, o mundo real. Só quem escapa é a filha do casal. Todos os outros vão parar no mundo real, sem memória e congelados no tempo, ou seja, sem envenlhecer. Depende agora da filha do casal, que a gente fica sabendo que se chama Emma Swan, salvar o reino. Seu filho, que ela abandonou logo que nasceu, é quem a encontra e conta toda essa história. Agora basta ela acreditar.

A série é legal, é bom ver a Jennifer Morrison de volta num papel diferente. Só não sei se esse estilo vai sobreviver, mas vale dar a conferida, é interessante.

– Grimm

Começou em 28 de Outubro, está no 1×02.

A outra série sobre contos de fadas. Para quem não lembra, Chapeuzinho Vermelho, Rapunzel, Cinderela e outras histórias foram escritas por eles, Jacob e Wilhelm Grimm. Na série, o protagonista Nick é descendente deles, e acaba descobrindo que as histórias são verdadeiras, e que só os descendentes da família, os Grimm, é que podem ver as criaturas em sua forma verdadeira, além do disfarce humano. Pra ser sincera, achei a série MUITO fraca. A ideia é legal, mas os seres mágicos já mostrados são extremamente toscos, não sei se porque são mal feitos ou sem criatividade mesmo. A série parecia ter potencial, se eles tivessem decidido dar um ar mais sombrio e medonho, mas no final tudo ficou meio bobinho e infantil. Não sei que tipo de público vai gostar. Mas para todos os efeitos, eu vou continuar acompanhando!

– Revenge

Começou em 21 de Setembro, está no 1×07.

Revenge (Vingança) se passa nos Hamptons, um famoso ‘balneário’ de New York, e conta a história de Emily, uma garota misteriosa que surge lá para passar o verão. Na verdade, ela é Amanda e busca vingança por algo que aconteceu no seu passado. Achei a série interessante, apesar de que o piloto foi muito too much information. Esse negócio de explicar praticamente tudo logo de cara me deixa desconfiada. Mas até aonde a série está indo, estou gostando.

– Homeland

Começou em 2 de Outubro, está no 1×07.

Eu nunca achei que fosse ver essa série porque parecia séria demais e isso não é lá muito meu estilo. Mas aí comecei a ver críticas muito boas, o Ausiello disse que é uma das preferidas dele da nova safra, e é com a Claire Danes, uma querida, sem falar na Morena Baccarin, que está de volta, yay. Aí resolvi dar uma chance. Não acreditei quando estava no terceiro episódio seguido na mesma noite em que já tinha visto outros três episódios de outras séries. Bom, a história é a seguinte: Claire Danes é Carrie, e ela trabalha pra CIA . No piloto, ela começa no Iraque, tentando descobrir informações secretas. Depois de um ano, já de volta nos Estados Unidos, o sargento Nicholas Brody é encontrado vivo no Iraque, após oito anos desaparecido. Esse fato faz com que Carrie se lembre da informação que ela conseguiu um ano antes no Iraque: um soldado americano teria mudado de lado. Aí tudo faz sentido pra ela. Só que ela é cheia de problemas,  bipolaridade e coisas do tipo. Agora ela tenta fazer de tudo pra provar que Brody é um agente duplo. Vale a pena ver, é muita onda!

– American Horror Story

Começou em 5 de Outubro, está no 1×05.

E por último, mas não menos importante, American Horror Story. De longe a minha novata favorita! Para uma amante do terror como eu, tem coisa melhor do que um seriado de terror?! Eu lembro que há uns quatro, cinco anos atrás, Supernatural era tudo o que eu tinha. E eu amava…até a quarta temporada. Depois tudo decaiu e eu aguentei só mais a quinta até parar totalmente de ver. Agora tenho essa belezura que está fazendo um sucesso tremendo e já tem segunda temporada confirmadíssima. A história é sobre a casa, uma casa mal assombrada. A gente conhece a casa através de seus novos moradores, a família Harmon: Ben, Vivien e Violet. Tem muita coisa pra comentar sobre a série, mas o principal é que muita gente morreu nessa casa e eles ainda permanecem lá. Tem fantasmas que ficam por lá, como a empregada Moira , e muitos outros que aparecem de vez em quando. Pra quem é fã do estilo, vale a conferida, é cheio de referências fantásticas, como Kill Bill (trilha sonora) e O Iluminado. (farei um post mais tarde só sobre a série).

Pronto, já falei de todas as novas séries que eu assisti. Vou falar mais sobre séries nos próximos posts, então preparem-se =D