Especial NETFLIX

O dia que eu resolvi fazer um cadastro no Netflix foi o dia em que eu decidi assistir Doctor Who. Depois que terminei de assistir as sete temporadas, olhando o ~cardápio de outras séries e filmes que estavam disponíveis, não me empolguei com nada.

Tudo mudou quando eu fui passar um final de semana em São Paulo com uns amigos de Manaus. Um deles falou sobre como fazer pra liberar o ~cardápio americano pra ficar disponível no meu, que é o básico brasileiro. Quando voltei pro Rio, a primeira coisa que eu fiz foi isso. E também foi, basicamente, a única hahaa.

O Netflix americano tem muito mais títulos (mas ainda assim falta MUITA coisa, né), e muita coisa lá me chamou atenção. Fiquei umas semanas sem fazer quase nada além de ver filmes (e ir pra aula e trabalhar!!).

Aí, agora que a empolgação diminuiu, resolvi vir aqui dizer as coisas que eu assisti lá 😀

( ANTES DE LIBERAR TUDO)

1. Seven Psychopaths – Não curti muito não. Achei que o filme seria bem mais legal, em parte por conta do elenco (Christopher Walken, Woody Harrelson), mas a história é bem fraquinha, e com poucas cenas legais. BLEH.

2. Somewhere – Esse foi menos pior, mas também não chegou a ser super legal. Mostra a dinâmica da relação de um pai famoso com sua filha adolescente que ele mal tem contato. Tem umas cenas legais, a fotografia do filme é bem Sofia Coppola mesmo, o que eu curto, mas só.

3. Would You Rather – Finalmente criei vontade (e lembrei) de assistir o tal do filme com a Sasha Grey. E, apesar do papel pequeno dela, eu gostei. Mas também foi a única coisa. Adoro a Britanny Snow, mas a história do filme foi muito superficial e fraca.

4. Home Alone – NATAL YAY URRUL *-*

5. Daria: Season 1: “Esteemsters”Daria: Season 1: “The Invitation” –  Tava perambulando por lá e resolvi dar uma chance pra essa série. Talvez se eu tivesse assistido anos atrás, eu até teria gostado. Mas não, só consegui ver até o segundo episódio..

6. Bag of Bones: “Part I”/Bag of Bones: “Part II” – Ahhhh Stephen King! Um especial legal, bem Stephen King, mas pouco surpreendente. Valeu pelo Pierce Brosman e pela boa cena ~gore.

7. The Mortal Instruments: City of Bones –  Tinha lido o livro por conta do evento de lançamento em Manaus que eu participei, até gostei da história (se passa em NYC *-*) e aí vi o filme dando sopa, resolvi assistir. Valeu a pena, o filme não é ruim não.

8. The Adjustment Bureau – Eu fiquei louca pra ver esse filme porque ele me lembra MUITO Fringe (até parece que rola um Observes inspired). E é bem legal, é uma história de amor mimimi blablabla, mas o que eu curto mesmo é a ideia de destino ~traçado, do lance das coisas serem coincidências ou não, do incrível poder de uma escolha que parece que vai te levar por um caminho… essas coisas bem viajantes.

9. On the Road – Não sabia nada de nada dessa galera escritora da geração Beat, mas achei interessante depois que vi o filme. Foi um filme longo, meio cansativo, mas gostosinho haha.

10. The Place Beyond the Pines –  Relutei pra ver esse filme por conta de: Ryan Gosling e Eva Mendes (.-.). Aí decidi ver no dia que a Shamila chegou aqui, por que ela queria ver um filme. Aí a gente começou a ver e nós duas cochilamos HAHAHA Mas eu acordei pra ver o resto. O filme é loooongo também (a internet não tava ajudando, daí ainda parava por uns minutos pra carregar), mas é legal, curti bastante.

(DEPOIS DE LIBERAR TUDO)

1. Drinking Buddies –  A Anna Kendrick no poster já chamou minha atenção. Aí ainda tem Oliva Wilde e Jake Johnson, que eu descobri recentemente que curto pra caramba haha. O filme é um comédiazinha, nada demais, mas legal, valeu a pena.

2. Stuck In Love – O filme que eu mais gostei até agora, dos que eu vi lá. Tem o Logan Lerman, num papel meio que parecido com o dele em The Perks of Being a Wallflower, tem a Lilly Collins, que fez The Mortal Instruments, tem a Jennifer Connely e o Greg Kinnear, a Kristen Bell numa ponta, e muita coisa legal, desde Elliott Smith a Stephen King. VALEU MUITO!

3. Safety Not Guaranteed – Outro filme com o Jake Johnson (hehehehe), com a Aubrey Plaza e o Mark Duplass. A história é meio que uma viagem, a Aubrey e o Jake trabalham num jornal, e junto com mais um carinha, eles vão investigar a história de um cara que colocou anúncio no jornal procurando alguém pra viajar no tempo com ele. A Kristen Bell também aparece nele e o final é muito legal.

4. Hick – Decidi ver por causa da Chloe Moretz, que tá muito legal nesse filme. Também tem a Blake Lively, que tá ótima, e a Juliette Lewis sendo a Juliette Lewis. Achei despretensioso, legal de assistir.

5. What Maisie Knew –  Eu lembro que vi o poster desse filme no Estação e falei que TINHA que ver por motivos de: Alexander Skarsgard. Dois dias depois eu vejo ele no Netflix *-* Além dele, tem a Juliana Moore como uma cantora de uma banda ( QUE CANTA HOOK AND LINE DO THE KILLS) e a menina que faz a Maisie é tipo MUITI FOFA, fora que a história é meio agoniante. Valeu muito a assistida.

Atualmente tô assistindo House Of Cards, que dá pra ver no Netflix daqui também, eu acho.

Anúncios

As séries que estou acompanhando

Depois de terminar a faculdade, o que eu mais ganhei foi tempo livre. E mesmo com todo esse tempo em minhas mãos, ainda não tô assistindo tantas séries quanto gostaria. Mas nada que um dia ou dois não mude.

Pra ser sincera, ando assistindo as mesmas séries de sempre. Algumas novas, algumas que já foram canceladas. Aí vai uma lista atualizada de todas elas, sem nenhuma ordem em particular.

– Once Upon A Time

Sinceramente, essa série vem se saindo melhor do que eu esperava. Depois de passar daquela fase de aceitação dos contos de fadas ‘alternativos’, num reino onde Mulan e princesa Aurora andam juntas, você consegue perceber o quão cuidadosamente a história vai se construindo. Não é nada complicado demais, mas é bem amarradinha e, no fundo, é bem gostosinha de acompanhar. Outro bom motivo pra ver é a majestosa seleção do elenco, que é de limpar os olhos:

* Once Upon A Time está no episódio 6 da segunda temporada e passa aos domingos na ABC.

– Sons Of Anarchy

SOA já teve uma temporada descartável. Fora isso, sempre foi uma série boa. Quando eu comecei a assisti-la, já haviam 4 temporadas.  Assisti tudo em uma semana (temporadas curtas, 12/13 episódios cada). Não sei exatamente o que esperava dessa quinta temporada, mas acho que não esperar nada foi bom, porque essa temporada está sensacional de um jeito que pouquíssimas séries conseguem manter nessa altura do campeonato. O lance com SOA é que ela não é uma série pra qualquer pessoa. O foco dela é na ação mesmo, nessa temporada mesmo pelo menos uma pessoa morre em cada episódio! O que me deixou extremamente feliz foi a audiência dela estar muito alta nos EUA, visto que o público de lá tem um gosto pra lá de duvidoso.

*Sons Of Anarchy está no episódio 9 da quinta temporada e passa as terças no FX.

– The Good Wife

Essa é talvez uma das séries mais subestimadas da TV pelos meus amigos. HAHA. No total, a série e seu elenco já ganharam 21 Emmys nas três primeiras temporadas. Porém, todavia, entretanto, apenas um dos meus amigos assiste e reconhece o merecido valor dessa série. Geralmente, essas séries que tem política no meio não me atraem muito (porque não entendo mesmo =x), mas TGW une política, direito e drama de uma forma extraordinária. A trama que interliga cada característica da série é sempre bem elaborada em todos os episódios (sério, difícil lembrar de algum episódio ruim) e os atores são gênios em interpretar seus devidos personagens e entregar a história da forma correta. O elenco convidado também sempre é fino, com atores ótimos em papéis melhores ainda.

*The Good Wife está no episódio 6 da quarta temporada e passa aos domingos na CBS.

–  Switched At Birth (nova na minha lista)

Assisti essa série sem querer e não sei porque gostei. Ela é diferente, a contar pelo número de episódios: 30 em uma temporada. Ela terminou em setembro, mas já tem uma winter primiere marcada pro dia 7 de janeiro. E tenho a impressão de que vai continuar na primeira temporada. A história é bacaninha, duas meninas que foram trocadas na maternidade e agora suas famílias moram juntas pra que elas possam aproveitar a vida sem deixar ninguém de fora. Acho que o eu mais gosto na série é o fato de uma delas estar envolvida com arte, grafitti e tal. Vale a assistida se você tem tanto tempo livre quanto eu 😉

*Switched At Birth exibiu o episódio 30 da primeira temporada dia 22 de outubro e volta dia 7 de janeiro, na ABC family.

– Homeland

Essa é série favorita do momento. A primeira temporada foi muito boa, mas devo admitir que acho que alguns fatos aconteceram muito rápido. E é exatamente assim que começa a segunda temporada, as coisas acontecendo rápido demais. O que faz dela uma série boa é que mesmo com tudo acontecendo na velocidade em que está, a série não perde a tensão de cada episódio por ser bem escrita e possuir vários twists (reviravoltas).

*Homeland está no episódio 6 da segunda temporada e passa aos domingos no Showtime.

– Fringe

A tristeza do momento. Fringe está na quinta temporada, sua última. Essa série também foi subestimada (em parte pelos meus amigos também) pelo tema ‘complicado’. É o tipo de série que você não pode piscar pra não perder um detalhe. A quinta temporada tem uma história relativamente diferente do que as quatro anteriores apresentaram. Mas se você foi um telespectador atencioso, você pode perceber que todos os acontecimentos anteriores podem ter levado a esse fim, e aí (quase) tudo faria sentido. Enfim, vai fazer falta. #WalterForever.

*Fringe está no episódio 6 da quinta temporada e passa as sextas na Fox (Citytv no Canadá).

– 666 Park Avenue (novíssima)

Essa série faz parte das que eu comecei a ver por ter NYC de fundo. Motivo besta, mas só eu sei como meu coraçãozinho se anima vendo os lugares por onde passei e que tanto sinto falta. E além do mais, 666 Park Avenue é de ‘terror’. Nada de assustar muito, algumas historinhas macabras e cenas legais, vááárias referências a filmes de terror (O Iluminado e Os Pássaros, por exemplo) e uma trama misteriosa. Vale a assistida, não só por NYC ou pela temática, mas pelos atores também (falo de Terry O’quinn e Vanessa Williams), porém, todavia, entretanto, fique avisado de que a série não foi bem recepcionada nos EUA, o que quer dizer que provavelmente ela terá uma temporada apenas, se terminar.

*666 Park Avenue está no episódio 6 da primeira temporada e passa aos domingos na ABC (Citytv no Canadá).

– Perception

A grande surpresa dessa série pra mim foi ver Eric McComarck hétero. HAHA. É bom ver de novo a Kelly Rowan na TV também, além da Rachael Leigh Cook. Eu gostei bastante da série porque McComark é um neuropsiquiatra que ajuda o FBI a solucionar casos, e assim, de um jeito ou de outro, acaba tratando das doenças (sei que não é a palavra correta, mas não lembro de nenhuma outra) da mente, um assunto que de certa forma me encanta. Fora as músicas clássicas e CHICAGO de fundo *-*

*Perception exibiu o episódio 10 da primeira temporada dia 17 de setembro. A segunda temporada irá ao ar no verão de 2013 na TNT.

– The River (Nova e já foi)

Taí uma série que nem a crítica nem meus amigos gostaram. E eu amei. Ela tinha tudo pra não cair no meu gosto, com seu rio Amazonas verde e tal, mas a verdade é que eu adorei as lendas que eles inventaram e a tensão que eu senti assistindo aos episódios. Pena que ela morreu já com apenas 8 episódios da primeira temporada e eu ainda não tive coragem de ver o último, até hoje. Vale ressaltar que ela é do mesmo diretor de Atividade Paranormal (veja e entenda).

*The River foi exibido do dia 7 de Fevereiro ao dia 20 de Março, pela ABC. 

Menções Honrosas: Dexter, que nesta sétima temporada está conseguindo manter a história levemente mais interessante do que a da sexta. Revenge, que está cheia de reviravoltas e de poucas coisas relevantes. American Horror Story, que teve uma ótima primeira temporada, mas ainda não fez essa segunda pegar no tranco.

Official SoundTracks

Aloha!

Primeiro post decente no novo layout hehehehe

Então, hoje resolvi falar de assunto meio alternativo. Trilhas Sonoras. Sim, música + filme, combinação perfeita. Mas por alguma razão eu sinto que as pessoas não dão muito valor pra esse estilo. Assim, quando elas estão lá assistindo o filme, de boa, super compenetradas e aí no momento exato toca a música exata e tudo fica lindo,as falas, o feeling, tudo se encaixa perfeitamente e você sente que aquela é a cena mais perfeita ever. Pois é, trilha sonora é importante também. Na minha opinião, 40% do filme é construído por ela. Se as músicas forem, assim, erradas ou tão nada a ver que você nem escuta, o filme tem chance de flopar no meu conceito, ou seja, se eu não curtir a trilha ou se ela for dispensável, well, o filme com certeza não vai fazer muita diferença pra mim. Não estou sendo extremista aqui, veja você. Só acho que se as duas coisas casarem, é meio dificil eu não curtir =)

Então, pensando nisso, decidi fazer uma listinha das OST que eu mais gosto. Mas tá em ordem aleatória, vou lembrando vou colocando! E aqui é só os top top, porque tem muuuitos filmes com trilhas sonoras legais.

Rapidinho, antes de seguir com a lista, é preciso esclarecer uma coisa. Não sei se todo mundo sabe, mas existe dois tipos de trilha sonora: a normal (various artists/ soundtrack) e a score, que é só das músicas instrumentais. Então alguns filmes só tem Score (como, sei lá, Pride and Prejudice) e outros tem os dois (como New Moon, se não me engano). Dito isso, vamo lá.

1. Elizabethtown (Tudo Acontece Em Elizabethtown)

Acho esse filme TÃO fofo por motivo inespecífico. Mentira, a trilha é boa (tá aqui por isso nean) e o tema dele em si é bom, tipo morte e tal, fracasso, coisas ruins da vida né. Mas o que eu mais gosto é a parte da Road Trip. Gente, ROAD TRIP *-* MOCHILÃO. Adoro demais, queria viver só de mochilar por aí.

Anyway, de volta a trilha. Essa foto aí de cima é da Score do filme, os instrumentais. Vejam vocês que existem DOIS cds de Score desse filme! Todos pela Nancy Wilson(Vanilla Sky/P.S. I Love You). Mas na verdade eu gosto mesmo é do ‘various artist’ (o tipo normal). Entre as minhas preferidas estão It’ll All Work Out(Tom Petty) e My Father’s Gun(Elton John). Essa última, nossa, ficou em loop infinito por meses na minha playlist.

Essa trilha é praticamente composta pelo Tom Petty. Ele canta uma porrada de música. E eu curto o cara e esse estilo folk e old times. Sem falar que tem Moon River também na trilha e essa música me mata (*cold case*). Mas fica aí a dica. Download here.

2. Meet Joe Black ( Encontro Marcado)

Esse é meu filme preferido. Eu sei. Eu toda fã do terror e do gore e meu filme favorito é todo mimimi. Well, não é tão ruim assim antes meu filme preferido era My Best Friend’s Wedding … podia ser BEM pior… Anyway, nesse filme o que me encantou mesmo foi a Score. Na real, nem sei se tem outro CD. Acredito até que eles misturaram músicas instrumentais com as normais. Mas na verdade a única música ‘normal’ que eu lembro no filme é Somewhere Over The Rainbow/What A Wonderful World do Israel Kamakawiwo’ole, que toca nos créditos hehehehehehehe Então, a música que me ganhou e que mexe com meu coração é Whisper Of a Thrill. O responsável pela Score é o Thomas Newman( The Shawshank Redemption/American Beauty). Bom, não sei quantos de vocês tem uma queda por música clássica/instrumental e tal, mas aí vai o link do download.

3. Kick Ass ( Kick Ass – Quebrando Tudo)

HAHAHAHAHA. Esse filme é massa demais. Adoro a Chloe Moretz. Ela é que tá no remake de Let the Right One In. Vou ver porque né.

Voltando a trilha. Gente, esse é um dos poucos filmes em que a trilha as vezes se sobressai mais do que a história. Perfeito exemplo de como ela pode influenciar positivamente a história. Você fica totalmente na vibe do filme, muito onda. É uma trilha mainstream devo dizer, but whatever. Entre os destaques estão An American Trilogy do Rei Elvis e Make Me Wanna Die da The Pretty Reckless, vulgo a banda da Jenny de Gossip Girl. Mas as minhas preferidas, claro, são Stand Up (The Prodigy), Banana Splits (The Dickies) e Bad Reputation (The Hit Girls(?)) pelo simples fato de que elas tocaram no momento certo do filme e pra mim, deram toda a magia e a vibe cool do filme. Aqui tem pra baixar.

4. Pride And Prejudice ( Orgulho e Preconceito)

Dario Marianelli (V for Vendetta/ Atonement), seu lindo. Ouvir a música que toca o filme todo, seja quando a Lizzie esta tentando ou então quando a irmã do Mr. Darcy toca divinamente bem( o nome da música é Dawn), me fez querer ter aulas de piano URGENTE. Até fiz, por 5 meses. Ou seja, tô na mesma. Queria voltar a fazer, mas cadê piano/teclado/qualquer coisa pra eu treinar? Sério, sem treino eu vou levar uns 10 anos pra aprender, mais 10 anos pra saber tocar essa música e mais 10 anos pra tocá-la bem. Mas então, outro cd de Score, muito lindo. Adoro. Baixem.

5. Into The Wild (Na Natureza Selvagem)

Já que eu tô na vibe das coisas calminhas e profundas… nada melhor do que falar  de Into The Wild. Acho muito massa que todo mundo que vê esse filme, ama. Simples assim. Eu também amo, eu também chorei e eu também quero fazer o que ele fez. Ok, vamos voltar pra trilha do filme. Outro exemplo de como a trilha casa com a história e tudo fica lindo e os nossos sentimentos são intensificados 1000x. Né não? Eddie Vedder( Pearl Jam) em todo o seu brilhantismo aqui. As minhas preferidas são Hard Sun, Guaranteed, No Ceiling, Society e todo o resto do cd. É simplesmente lindo, cara, não dá pra escolher. Se você ainda não viu o filme (seu louco), CORRE e veja. E se você não tem a OST, agora você pode ter.

6. Saw (Jogos Mortais)

Ahhh… eu lembro do dia que eu fui assistir esse filme. Tinha apenas 14 anos e empurrei meus dois primos mais velhos que nem são fãs de cinema (WTF) comigo. E lembro da sensação que senti ao sair do cinema depois de um puta filmasso. Sem falar do prazer em ouvir eles falando que tinham adorado blablabla. Lindo de viver. Coisa que acontece, assim, uma vez na vida outra na morte, nem lembro mais qual foi o último filme que vi e que mexeu comigo mentira foi Black Swan mas tinha que falar isso pra dar ênfase a ideia hehehe Anyway, James Wan, você é mara como diretor! E a trilha, ui. Pra falar a verdade, eu gostei porque, de novo toda hora, a trilha casou com o filme e o feeling foi muito bom. Mas tenho que ressaltar a melhor parte pra mim. SPOILER SE VOCÊ AINDA NÃO VIU. Hello Zepp tocando na hora que o Jigsaw, que passa o filme todo se fingingo de morto, levanta naquele quarto escuro, abre a porta e vai embora, FOI lindo. Me ganhou. Hello Zepp já foi até meu toque de celular. A trilha você pega aqui.

E aí a gente fecha com os filmes. Mas eu reservei um espaço pra falar de uma galera especial. Porque, afinal, não se fala de OST sem falar de, por exemplo, Danny Elfman, né?

Então, começando por ele. Todo mundo já ouviu falar né? NÃO???? Poxa. O cara assim é tipo o rei da coisa, tem milhares de trabalhos fodásticos. Vou apenas citar meu favoritos: The Nightmare Before Christmas, Big Fish, Chicago, Desperate Housewives… Ele tem muitos trabalhos!

Outro também que não poderia faltar é o Hans Zimmer. Não parece familiar?? Bom, aqui vai SÓ os meus preferidos: The Lion King, Hannibal, The Ring, Madagascar, Pirates Of Caribbean: Dead Man’s Chest, The Dark Knight e Inception. O cara é f***. Meu preferido so far in the moment.

E por último, Alexandre Desplat. Tenho que admiti que conheci o trabalho dele através de New Moon… E assiti Julie & Julia também. E Harry Potter and the Death Hallows é dele, as duas partes. Outro famoso é Girl with a Pearl Earring. Fora os milhares de filmes franceses com os quais ele colaborou. Tem futuro esse aí.

De novo, Thomas Newman, porque não posso deixar de mencionar: Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events, Finding Nemo, Fried Green Tomatoes.

E pra acabar, uma menção honrosa a Daniel Licht, por Dexter, porque eu amo a música do final. HEHE

E aí, quais são os compositores/as trilhas sonoras preferidas de vocês?

Tudo junto e misturado.

Faltam 19 dias pro ano novo,

faltam 16 dias pra eu viajar,

faltam 12 dias pro natal,

faltam 7 dias pra eu ser operada.

Final de ano do jeitinho que eu gosto. Bem atarefadinho.

Esse provavelmente deve ser o último post do ano. Eu tava pensando em fazer os posts sobre a viagem na viagem, mas aí é perder muito tempo né? Então…

Hoje é sábado. Trabalhei o dia todo, das 8h às 18h. Tenso. Mas resolvi vir aqui meia noite e meia pra aliviar o peso dos problemas. Que aliás, nem são problemas. Mas sabe quando você tem muito tempo livre e fica pensando na vida mais do que o suficiente ? É quando eu noto coisas sobre a minha pessoa que em outro momento eu não vejo. O fato é que eu não ando saindo muito. Sério, digo isso porque eu não saio toda vez que me chamam (não saio nunca praticamente). E aí eu percebi que só queria fazer coisas simples, como ir ver filme na casa de alguém, pedir pizza e jogar conversa fora, dar uma volta de carro (bem the sims né? não?). Só que quando eu penso nessas coisas, não me vem nenhuma companhia em mente. Simplesmente não consigo pensar em ninguém que me agrade. Horrível, eu sei.

De certa forma isso resume bem o que eu sinto agora. SAD, but TRUE.

Eu podia estar ficando louca pelo fato de não querer ninguém por perto, mas na verdade eu ando me sentindo como não me sentia há bastante tempo. Uma das outras coisas que notei sobre a minha pessoa, mas esta já faz algum tempo, foi o quanto eu mudei. Não digo aquela mudança que é normal, que acontece com todo mundo. Digo da minha essência mesmo. Eu sempre fui tímida e na minha, nunca fiz questão de expor minhas opiniões… era feliz sendo invisível. Hoje em dia eu sou outra pessoa e eu odeio que essa pessoa seja praticamente o inverso de quem eu era. Além da parte da maldade que cresceu no meu coração e que vem afetando minhas atitudes.

Tudo isso tem que mudar. E não digo nem que isso é resolução de ano novo porque nem acredito mais nisso. Não gosto da ideia de ter que esperar o fim do ano velho/começo do ano novo pra tomar atitudes. Sem falar que quando a gente deseja, planeja, a gente cria expectativa e todo mundo já aprendeu, a essa altura da vida, que expectativa é uma droga. Bom, falando em resoluções, vou deixar vocês com as minhas, cantada pelo Jamie Cullum:

Next Year,
Things are gonna change,
Gonna drink less beer
And start all over again
Gonna read more books
Gonna keep up with the news
Gonna learn how to cook
And spend less money on shoes
Pay my bills on time
File my mail away, everyday
Only drink the finest wine
And call my Gran every Sunday
Resolutions
Well Baby they come and go
Will I do any of these things?
The answers probably no
But if there’s one thing, I must do,
Despite my greatest fears
I’m gonna say to you
How I’ve felt all of these years
Next Year, Next Year, Next Year
I gonna tell you, how I feel
Well, resolutions
Baby they come and go
Will I do any of these things?
The answers probably no
But if there’s one thing, I must do,
Despite my greatest fears
I’m gonna say to you
How I’ve felt all of these years
Next Year, Next Year, Next Year

e o video pra acompanhar porque né:

___________________________________________________________________

Papo nada a ver, mas aproveitando a deixa,

Lista de shows que eu quero ver (ano que vem se der né):

– Metric;

-The Dead Weather;

– Jamie Cullum;

– Portishead;

– Pearl Jam;

– Arcade Fire;

– The Editors

– BILL CALLAHAN (sonha)

até 2011 =*

Fim das férias.

Hoje é o último dia das minhas férias. BAD NEWS?! O pior é que só consegui me matricular em três matérias =(  Mas o lado bom é que não terei aula dia de sexta \o/

Anyway, vim aqui pra fazer aquele post de despedida… Mentira, vou continuar postando aqui, só que com menos frenquencia…ou não.

Vamos lá então. No começo das férias eu postei uma lista do que eu queria e tinha que fazer nas férias né???? Pois é…. Não fiz NADA daquela lista x= SHAME ON ME. Mas HAN, tá pensando que eu desperdicei minhas lindas férias????? SHAME ON YOU.

Aqui vai primeira listinha de hoje:

Coisas que eu FIZ nas férias:

– Vi muito filme;

– Fui pra fextinha da Olívia (mas não pra que era surpresa =/)

– Comecei a providenciar minha fantasia de Halloween;

– Fiz planos pro final do ano;

– Arranjei um emprego;

URRUL o/

OK, nem foi TÃO produtiva assim né? Mas poxa, sofro de preguiça crônica, quem foi que acreditou mesmo que eu fosse fazer tudo daquela lista??????? Eu QUAAAAAAAAAAAAASE acreditei….mas anyway, não desperdicei minhas férias não. Mais do que fazer planos, coloquei eles nos trilhos já *-* FOR REALZ !!! E tem mais uma listinha fail né, a de filmes que eu disse que ia ver:

Filmes que eu PRECISO ver nessas férias:
– Martyrs; (ok)
– Antichrist;
– Inside (A Invasora); (ok)
– American Psycho; (ok)
– The Collector;
– IT ( A Coisa);
– Lost Signal;
-Ichi the Killer;

Ai você fica POOOOOOOOOOOOOOOOOOOOORR sua FAIL. Ai eu digo, poxa. Agora mostro outra lista…

Filmes que eu VI nas férias:

– Martyrs;

– Inside (A Invasora);

– American Psycho;

– Noroi;

– The Ruins;

– Eden Lake;

– Inception;

E como sou legal e quero fazer um post mais decente do que só listas, vou falar um pocuzinho de cada um. As minhas ‘reviews’ são meio spoilentas, então se você pretende ver qualquer um desses filmes, não leiam elas até o final.

Vamos por ordem do pior pro mais legal.

THE RUINS (As Ruínas)

Assisti porque curto PACAS a Jena Malone. Aliás, resolvi baixa-lo adquiri-lo para minha coleção depois do post lá que falei dela. A sinopse encontrada na net é

“Um grupo de amigos a passar férias no México começam a viver um autentico pesadelo quando decidem aventurar-se com um amigo turista numa missão arqueológica para as profundezas da floresta onde algo diabólico vive entre as ruínas.” (www.filmes-de-terror.com)

Na real o turista não é amigo coisa nenhuma. Eles se conhecem na piscina do hotel. O cara chega com um papinho de “Pô, meu irmão saiu pra ir encontrar essas ruínas SUPER SECRETAS e tal…E eu tô indo amanhã lá encontrar ele…” Ai a galera se amarra e se joga na onda. (SPOILERS FROM NOW ON) Aí colega, eles se juntam com um guia e vão. Aí chegam nessa ruína maluca e do nada aparece uma gangue galera que aparentemente mora nas redondezas… E eles estão armados e apontando pro grupo lá. Nessa de tentar conversar com os caras, o grupo percebe que eles não vão se entender nunca, já que a galera não fala inglês nem espanhol… Ai eles ficam lá tentando conversar, até que a Jena Malone, super esperta, começa a tirar fotos!!! Ai eles se estressam e tal… Ai o guia chega perto da Jena Malone e pega a câmera dela. O grande detalhe dessa cena, que você só vai entender no final, é que quando o guia chega perto da Jena Malone (que responde por Amy no filme) ele vai bem perto da ruína, onde tem umas plantas locas. Ai quando o guia faz que vai entregar a câmera pros caras… Eles atiram!!!! E pelo jeito que mostram isso, você já saca que o filme não é pouca coisa não, tem uns Q’s de Gore nessa cena.Ai todo mundo corre pra ruína (que tem uma escada, saca só) e ai lá em cima eles acham um poço no meio da ruína (que é tipo uma pirâmide) e o irmão do turista lá, que tá mortinho. Ai o filme vaaaaaaaaaaaaaaaai e acaba e pronto né. O que faz esse filme ser não-tão-ruim-assim é a cena de amputação. E outra, quando eles acham o poço, eles ouvem um barulho de celular… Ai né, eles querem descer, pegar o celular (pq os deles não pegam lá, CLARO) e ligar pra emergência. Ai quando finalmente conseguem descer lá, descobrem que na real não tem celular nenhum lá, que aquele barulho é produzido pelas flores das plantas que cercam a ruína HAUSHASHASHAUSHUASHAUSHAUSHAUSHAUSH muito punk isso. Sem falar né, que as plantas são o vilão do filme, elas tem vida própria, entram na sua ferida e procriam DENTRO DE VOCÊ. UHSAUHSUAHSUAHS. Tenso. Eu curti porque achei criativinho. Mas é só mesmo.

AMERICAN PSYCHO ( Psicopata Americano)

Eu quis assistir esse filme porque ele está na maioria das listas de filmes de terror/suspense/serial killer que eu vejo pela net (via StumbleUpon) e porque comecei a me interessar de LEVE pelo Christian Bale. A sinopse da net é esta:

Patrick Bateman (Christian Bale) é um corretor da bolsa de Wall Street e também um serial killer. Ele é jovem, bonito e rico, mas toda vez que encontra alguém que possui algum bem maior que o seu, Patrick se transforma em um violento e cruel assassino. Este lado criminoso passa despercebido sob o ar de yuppie certinho, mas o policial Donald Kimble (Willem Dafoe) desconfia que o rapaz pode ser o responsável por um desaparecimento que está investigando. (cinema.yahoo.net)

Errr… Não sei o que eu esperava desse filme. Definitivamente foi provado que o Christian Bale sabe atuar. Bizarro ver um serial killer metrosexual. SUAHSHUAHSUAHS. No todo é um filme legal, interessante. Tem umas cenas bem legais e as mortes também não são pouca coisa não. Achei o final mucho loco. Nem eu entendi (Y) Mas juro que não é porque sou burra, é só porque, assim, não me deu vontade de ficar pensando muito depois do filme não. Mas é bom sim.

À L’INTÉRIEUR (Inside/A Invasora)

Como deu pra notar, esse é francês. TENSO. Devo dizer que o que li sobre ele na comu dos brothers (TGTG) foram maioria críticas. Quase ninguém curtiu. Acho que o único ponto do filme é o GORE. Anyway, vamos à sinopse da net:

Sarah, uma jovem fotógrafa, está sozinha na noite de Natal. Ela está assim desde que seu marido morreu num acidente de carro. Só e grávida, recebe apenas as visitas de sua mãe dominadora e de seu chefe egocêntrico. A noite de Natal é o último dia antes de ir para o hospital ter seu bebê.Mas o silêncio de sua casa é quebrado quando uma misteriosa mulher bate à sua porta. Sarah desconfia e não atende. Todavia, a mulher se recusa a ir embora. Quando as coisas começam a se complicar., Sarah fica temerosa e chama a polícia, enquanto a mulher a observa pela janela. Ao chegar, a polícia não encontra a mulher em lugar algum e, depois de tranquilizá-la, vai embora. Sarah fecha a porta, sem saber que a mulher está dentro de sua casa. Enquanto a noite se transforma numa longa luta entre as duas mulheres, Sarah faz tudo o que pode para se proteger dos ataques, até sentir as primeiras contrações… (www.interfilmes.com)

Mucho Gore. É o resumo do filme. Acho que o que me deixou mais aflita e blablabla é o fato da ‘mocinha’  estar grávida. Bizarraço. Até porque o filme gira em torno deste fato. (SPOILERSSSSSSS) O começo é aquele típico que dá A dica pro final, só que aqui ele não é exatamente óbvio. Vou contar tudo logo hein. O filme começa com um acidente de carro. Nós vemos logo a mocinha lá machucada (e grávida), no volante e seu marido ao lado, morto. Aí eu não lembro exatamente o que vem em seguida: a cena de um bebê dentro do útero (acreditem, virão mais cenas desta) parando de se mexer ou a câmera se afastando da cena do acidente, mostrando os dois carros batidos. Sei que depois tudo escurece e aí começa o filme de novo. A história é simples. A mocinha, Sarah, está no último dia de gravidez que é, tipo assim, o NATAL. E aí ela vai pra casa pra dormir e esperar o dia seguinte pra ir pro hospital no dia seguinte ter o bebê. Só que ela nega a companhia do amigo e chefe dela e da manhã, querendo passar o natal alone. E todo mundo aceita, depois de relutar um pocozinho. E aí ela tem um sonho BIZARRO e nojento. E aí a história toda se desenrola e acaba. A invasora na real é a motorista que tava no outro carro que a Sarah bateu e o bebê que para de se mexer (morre) é o dela, no acidente. Ai ela vai atrás da Sarah e quer roubar o filho dela, nada mais justo.Os pontos altos desse filme: todo o elenco morre exceto pela invasora(que tá deformadíssima) e pelo bebê. A Sarah começa branca e termina…. meio …. muito suja. E é isso. Galera curte o filme por causa do Gore (dá pra fazer os mais fracos vomitarem facinho), mas dizem que a história é fraca. Eu concordo.

EDEN LAKE (Eden Lake mesmo eu acho.)

Rapaz. Digo logo que esse filme empata com A Invasora. São dois estilos diferentes, mas na minha lista eu não consigo decidir qual eu odiei menos gostei mais. Esse é mais um oferecimento da TGTG. É um filme que divide opiniões ferradas. Anyway, vamos pra sinopse e depois eu conto TUDO.

Um Jovem casal resolve passar o fim-de-semana num lago, formado numa antiga pedreira, longe de tudo e de todos. Mas o que parecia ser um fim-de-semana paradisíaco, transforma-se num inferno quando os dois encontram um grupo de jovens e passam a ser aterrorizados por estes. (cinematerror.blogspot.com)

Então… nem lê aqui que eu acho que vou contar maior parte do filme. Vou começar pelo fim. CARA, assim que terminei de ver, me deu uma raiva sem noção. Não sei se era pelo final ser uma merda coisa indigna ou se era porque o filme foi meio ruim mesmo. O final definitivamente é o divisor de águas opinões.

Pôxã cãrã depoix de tudo que a Jenny passou, ela ainda se feerra broooooootherrrrrrrr

OK. vamos aos fatos. Jenny e Steve formam o jovem casal. E todos nós que vemos o filme sabemos que ele quer levar a Jenny para estas ‘férias’ românticas porque ele quer… casar com ela. O lugar é bonitinho mas a paz deles acaba logo muito cedo, quando a gente conhece A GANGUE. Um bando de muleque chato que se acham os últimos Revolts do planeta. E aí eu não vou contar a história tin tin por tin tin porque né, se eu to cansada de escrever, você provavelmente tá cansado de ler e ainda faltam … três filmes…. hum, dois. O fato é que os aborrecentes realmente se tornam MUITO chatos e bizarros e e e e tudo serial-killer-wanna-be. PAPO. Eles enchem o saco e roubam o carro do casal. Aí o casal vai atrás deles. Aí o  manda chuva da da gangue ameaça o Steve com uma faquinha, ai eles lutam e o cachorro acaba morrendo USHASHUASHUASHAUSH. Ai o cabeça da gangue e dono do cachorro, o Harry( o ator que faz o Harry ganhou como melhor ator no Fantasporto Awards de 2009!!!), fica putinho e se joga na ira. Aí o casal foge e é infernizado na floresta. O legal desse filme, e o que acabou me atrapalhando, é que a gente se envolve com ele, o nosso ódio CRESCE e a gente quer arrancar a cabeça do Harry com as próprias mãos. Na real a galera da gangue são os amigos aterrorizados do Harry, que fazem tudo o que ele manda pra não sofrerem as consequencias. Na maior parte do filme as atrocidades são cometidas pelos membros da gangue, sempre seguindo ordens do Harry, mas acaba que ele próprio só suja as mãos lá pro final do filme. O Steve acaba morrendo e a Jenny consegue matar dois pirralhos. E é ai que tudo se confunde e a gente (eu né) se sente na pele dela. A gente tá mó lá torcendo pra todo mundo morrer e quando ela mata, a gente fica PUUUUUUUUUUUU… sabe? Rola uma peninha né, porque no fundo a gente sabe que quem merece morrer esmagado é o Harry apenas…. E aí o filme acaba com ela tentando buscar ajuda numa casa, que happens to be a casa dos pais dos pirralhos. Aí ela tá mó lá de coitadinha (toda trabalhada no sangue e na sujeira) quando um dos sobreviventes ligam e conta TU-DO. Aí todo mundo se revolts e ai pegam ela dentro do banheiro. E é isso que meio que revolta sabe? Mas de boa, outro final seria muito clichê né não? Ela se dando bem no final é o que todo mundo espera. Detalhe que eu esqueci de comentar antes: a Jenny é meio burrinha, meio lerda sabe? No meio do filme eu me vi gritando: POOOOOOOOOOOOOOOOOOR SUA LEEEEEEEESA COOOOORRE DAÍ SUA ABESTAAAAAAAAAAADA, NÂO FICA PARADAAAAAAAAAA! …. Bem anos 80. UHSAUHSUAHS x=

NOROI ( The Curse/ Noroi mesmo)

Noroi é um filme de terror japonês. Fato que eu não sei o que quer dizer Noroi for realz. Então se tiver algum universitário me lendo, dê a dica, please. Sinopse:

» Sinopse: Apresentador de TV que investiga casos sobrenaturais aparentemente sem ligação, descobre que um antigo demônio é o responsável por mortes e acontecimentos bizarros. (cinemalibresa.blogspot.com)

Antes de tudo: filme a la Bruxa de Blair. Vou admitir algo MUITO comprometedor da minha parte…. Fiquei sem dormir depois que vi esse filme. USHAUSHAUSHUASHUASHUASHUAHSUAS. Sério. Não é porque ele é poooooorramuitomedonhodoinfernosocooooorromesalva , é porque a minha mente sometimes funciona que nem a mente de uma criança… Ela tem um dispositivo que eu não sei desligar e que me faz acreditar em tudo USAUSHAUHSUAHSUAHS Sabendo disso como eu sei, vi o filme de tarde, depois do almoço né, pra não ter problema. MAS QUEM DISSE QUE ADIANTOU? Lá estava eu acordada até o dia amanhecer, pra dormir no clarinho ¬¬ Anyway, deixando minha barezisse de lado, vamos aos fatos e spoilers. Quando li sobre o filme, vi mt gente falando: É mistura de Paranormal Activity com Bruxa de Blair. Ai eu POOOOOOOOOOOOOOOOOO vou ver né, porque como sou uma mera mortal, eu curti os dois filmes citados ;B (é pq OS BONS, eles acham que A Bruxa de Blair é um c* e só CH presta)… E num é que é?! No filme tem duas cenas que são A CÓPIA dos filmes citados. Eu ri, olha… A cena da menina lá sendo filmada não tem nada demais. Ela tá lá dormindo, ai acorda, fica parada por um tempinho… ai vai na varanda… ai eu POUTZ… (só que eu esperta li spoiler e sabia que ela ia sobreviver) … Ai ela volta da varanda e dorme. E a cena da Bruxa de Blair CAAAAAAAARA me emocinei… parece mesmo com essa cena:

Tirando a barraca, os gritos, as vozes… só mesmo a correria parece =D Anyway, a galera morre, menos a garota lá… E eu fiquei meio assim sei lá com pombos =x PRÓXIMO.

MARTYRS (Acredito eu que não tem no Brasil, mas  a tradução é Mártir)

Logo de cara, pra quem não sabe, um mártir é, segundo o Wikipedia, uma pessoa que morre pela sua fé religiosa. Sendo assim, let’s move on…

Uma jovem está numa jornada de vingança contra aqueles que a sequestraram e torturaram quando criança. Ela e uma garota que também sofreu abuso se unem para encontrar os culpados, enquanto descobrem um inferno vivo de depravação e mutilação…(cinemedo.adorocinema.com)

Olha, dos fundilhos do meu core eu não achei esse filme punkizão. Achei ele muito bacana e original. E aí comecemos os spoilers. Olha, tem Gore de classe nesse filme. UAHUSHAUSHAUHS, quem sou eu no jogo do bicho pra falar nean, sou puramente uma iniciante na arte do terror e do gore e do suspense e e e afins… MAS como aqui é o meu lugar e o que vale é o que eu falo (BRINKS)… Sério, eu achei legal. Agora devo dizer que a Invasora tem MUUUUUITO mais gore e é muuuuuito mais nojento que Martyrs. Se é do vomita, vomita no primeiro que ainda passa. Mas nesse? Nesse não. Ai vai chegar alguém muito do seu informado e que viu o filme e vai me dizer que é chocante porque a mocinha lá fica sem pele no final e mimimi blablabla admite que vomitou. Ai eu vou dizer: maaaaanoooo, paaaaaara que esse não é o seu lugar. Nada contra quem tem estômago fraco. Eu tenho! Coloca vermes na tela que eu me tremo todinha e fecho os olhos. Mas dizer que Martyrs é um filme que faz vomitar, aí é exagero escabroso.

Deixando meu xilique de lado, Martyrs é by far o melhor filme do gênero que vi nas férias. E foi eleito pela história em si, não pela quantidade de sangue ou nojeira. Achei que foi original, não pelo tema em si, mas pela forma como eles resolveram abordá-lo. Quem viu sabe/sente que o filme é dividido em duas partes. Pra não dar muito spoiler, não vou me aprofundar. Só digo que a primeira parte é sobre a garota de olhos claros e do lado esquerdo do poster e a segunda, dã, enfoca mais a garota do outro lado, o direito. Vi por aí moita gente falando que o filme é boom e que isso e aquilo, mas que a segunda parte é fraca, lenta, chata, monótona. Eu achei legal justamente isso… o filme ter separado as coisas. O punk e hardcore que o filme possui vai todo na primeira parte. Ai na segunda, a gente descobre e vê mais a história por trás de tudo. Bonito. Talvez fosse mais agradável se eles tivessem balanceado, misturado tudo e equilibrado as partes, mas eu sinceramente não vejo como isso teria funcionado. ANYWAY. Super válido. E USA, deixe esse filme em paz, vão catar gente criativa na terra de vocês ao invés de tentar copiar sucessos tá? (isso merece um futuro post….hum…)

O último filme que vi, duas vezes e contando, foi Inception. Já disse que não vou me aprofundar no assunto e já até indiquei um site maaaaaaaaaaaara que fala sobre ele. (vide post passado).

NOFAAAAAAAAAAAAAAAA ainda não vi esse post por inteiro, mas demorou quaaaaaaaase três horas para fazê-lo (eu enrolo pra caaaaaaaaacete) e o meu ombro está doendo de leve, o que indica que eu escrevi D +

Espero que compense!!! E claaaaaaaro, se gostar, ele =D Té mais galereeee

11 Comentários Aleatórios sobre INCEPTION

Estava LOUCA pra falar mais deste filme. Aí pensei, vou falar o que? O que não falta na net são teorias mirabolantes sobre o que o filme significa. Ainda vou voltar um pouco nesse assunto, mas achei interessante postar aqui algumas ‘curiosidades’ sobre Inception.
Se você ainda não foi assistir o filme tá esperando meu convite por acaso? e não gosta de SPOILERS, nem leia.

Então vamos lá…

– James Franco foi considerado para interpretar Arthur, mas problemas de agenda o impediram de continuar no projeto. Já Leo DiCaprio foi a única opção de Nolan e Emma Thomas (produtora) para dar vida a Cobb. Evan Rachel Wood foi a primeira opção de Christopher Nolan para interpretar Ariadne, mas ela não aceitou. Ele ainda considerou chamar Emily Blunt, Rachel McAdams e Emma Roberts, mas acabou escolhendo Ellen Page.

– É o primeiro filme totalmente original de C. Nolan desde Following (1998). Todos os filmes que ele fez entre esses dois foram Remakes ou baseados em revista em quadrinhos, livros…

– Marion Cotillard e Ellen Page concorreram ao Oscar de melhor atriz em 2008. Ellen concorreu com Juno e Marion ganhou com sua interpretação de Edith Piaf.

– Terceiro filme de Christopher Nolan em cinco anos onde o personagem de Cillian Murphy passa uma boa parte do filme com um saco na cabeça.

– As copias do filme foram enviados para os cinemas sob o nome ” Hour Glass”.

– A escada infinita que Arthur mostra a Ariadne é apropriadamente atribuída como um Penrose, um objeto impossível. M. C. Escher não foi o criador desses conceitos, mas usava-os como referência artística.

– Ariadne, na mitologia grega, foi quem ajudou Theseus a vencer o minotauro, dando a ele uma bola de lã vermelha para que ele pudesse se guiar dentro do labirinto.

– O crítico Devi Faraci deu a seguinte sugestão de interpretação do filme: Processo de filmagem. Saito seria o cabeça do estúdio, que pediria o projeto e que insistiria em ver de perto o trabalho sendo feito. Arthur, o responsável por assegurar que o trabalho está organizado e correndo dentro do prazo, é o produtor. Cobb, responsável por executar a missão além de trazer seus sonhos pessoais, suas ideias e agenda para o trabalho, é o diretor. Ariadne, que é contratada por Cobb para elaborar o mundo do sonho, é a roteirista. Eames, que se faz passar por Browning, é o ator. Yusuf, que oferece ao time o que eles precisam para fazer o trabalho, é o técnico de efeitos especiais. E Fisher é a audiencia, para quem todo o show está sendo feito.

– Esse é o quinto filme do Christopher Nolan a entrar na TOP 250 do IMDb, junto com Memento (2000), Batman Begins (2005), The Prestige (2006) e The Dark Knight (2008)

– O cabelo de Ariadne está preso em um coque na cena do hotel, no segundo plano dos sonhos, para facilitar o trabalhos dos técnicos, que não queriam se preocupar em como o cabelo solto dela agiria na gravidade zero.

– Há boatos na net de que Mal seria o apelido de Mallorie. Entretanto, é fato que seu ‘nome’ quer dizer ruim, mal e até dor em Francês e Português.

– A música “Non, je ne regrette rien” que significa ‘Não, não me arrependo de nada’ de Edith Piaf é usada como um gatilho no filme. Ela é usada para avisar os sonhadores que seu tempo está acabando. É válido notar que são usadas duas versões no filme: a ‘original’, quando vemos os fones sendo colocados nos sonhadores e a versão que eles ouvem no sonho, que é a mesma música, só que em ‘slow motion’. Além da ideia de que no sonho seria assim que nós ouviríamos a música, ela também é usado desta forma para dar mais emoção também. Nolan cogitou tirar essa música do filme pelo fato de ter contratado Marion, que ganhou o Oscar pelo seu papel de Edith Piaf, mas foi convencido por Hans Zimmer ( o compositor e responsável pela trilha sonora) a deixá-la. Abaixo vai um video interessante para comparar as ‘duas’ versões:

fonte: grande parte veio do IMDb

Bom, é isso. Espero que gostem. Como disse, ia voltar e falar um pouquinho da ideia do filme. Sinceramente, quando assisti pela primeira vez eu não saquei muito bem a ideia ( imagem ruim /sem legenda). Ai fui ver no cinema e simplesmente adorei. Simplesmente mesmo. Não fiquei tentando entender o filme ou ler nas entrelinhas. Fiquei mesmo é pensando em como tudo fazia sentido e no fato de que realmente eu nunca lembro como meus sonhos começam e em como eu queria ter um sonho lúcido. Anyway, depois de conversar com alguns amigos e ver alguns comentários no twitter, li num blog uma  análise que so far é a minha preferida, até porque engloba vááários aspectos do filme e é embasada na psicologia e tal. Então, pra quem se interessar, eu indico: Saindo da Matrix .

Agora sim acabou. Curtiu o post? Clica -> e espalha ;D

Minha Infância Televisiva (parte II)

Então…ontem (ainda agora, 10horas atrás) achei que o post ia ficar sobrecarregado aí resolvi dividí-lo, mas vi que ficou legal, então vou colocar mais dos desenhos que fizeram minha cabeça. AH, gente, deixar comentário não mata não tá?!

7. Art Attack

Na minha época, Art Attack passava no Discovery Kids… E como eu era bem pirralhinha, não me lembro de muita coisa. Só lembro que queria fazer tudo o que eles faziam. Foi aí que descobri que eu não era perfeccionista nem persistente. Foi uma época boa, de criatividade e… e só. hehehe

8. Sabrina, aprendiz de feiticera (Sabrina, the Teenage Witch)

Mais uma da Nickelodeon, Sabria (1996-2003) foi uma série que me marcou também. Curtia MUITO todo aquele universo de magia antes de Harry Potter, e a série em sim era muito legal. Não lembro de ter assistido todos os episódios. Sei que não cheguei a vê-la na faculdade, mas assisti aos filmes originados pela série. Bons tempos.

9. Doug

Claro que eu não podia deixar de falar do DOO RU DOO RU DOO RU DOO RUDOO DOO DOO de DOUG( 1991-1995)! Lembro de ver Doug mais na TV Cultura do que na própria Nick. Ô desenho onda esse. Patti Maionese, Skeeter, Costelhinha, Homem Codorna. Porque não fazem mais desenhos assim??? Acredito que Doug ainda passa por aí, assim como Hey, Arnold… E se não me engano, chegaram a fazer epis novos…mas ai eu já tava crescidinha e assistindo seriados…Então, né!

10. Babar

O que foi este desenho??? O desenho mais lindo da minha infância…E era pirralha mesmo, só lembro de gostar muito do Babar e da família dele. Até hoje quando ouço a música da Intro, me dá uma dorzinha no coração =~ Esse eu sei que assisti na TV Cultura. Muito bom.

tem coisa mais gay(no sentido de bonito,ok)?

11. Dragon Ball, Z, GT …

O que falar de Dragon Ball( 1999-?)?? É tipo o desenho mais famoso. Já passou 93842934 vezes na GLOBO. Assim, eu cheguei a ver quando começou a passar no Cartoon Network… Mas acordava cedo muitas manhãs pra acompanhar na Globo mesmo. Acredito que não assisti todos os episódios, mas claro que me lembro daquela gosma rosa chamada Boo, e de muitas coisas mais que não vou escrever porque não sei os nomes. Só me atrevo a falar da fusão porque achava demais e ficava fazendo a dancinha lá do fuuuuuuuuuuuu são HAAAAAAAAA. E aí achei um video com as aberturas. Amo as músicas *-*

12. Sakura Card Captors

Bom, eu não era mais pirra quando assistia Sakura , tinha meus 10, 11 anos, que me faziam uma pré adolescente. Quando eu digo pirra, eu falo de 6,7,8,9 anos, que foi a época dos desenhos passados. Sakura foi o último desenho que amei. AIAIAI YUKITO. Cheguei a fazer 1 ano de japonês, comprei cartas Clow, fiz as minhas cartas Sakura, sabia cantar as músicas, comprei meu primeiro e único mangá, tinha os epis gravados em VHS,cortei meu cabelo igual o dela (não tenho fotos, mas pergunta da minha mãe!) minha melhor amiga na época era a Naguissa (sorry, não sei escrever). Jogava basquete e meu mundo era muito feliz.

13. Hey, Arnold


E pra fechar, não podia faltar o melhor, e meu preferido pra sempre. Hey Arnold gazadeus ainda passa hoje no Nick- AT -Nite e começou a ser exibida em 2000. Engraçado e especial pra mim porque eu tive a oportunidade de ver quando tinha meus 10,11 anos e assisto hoje, daí tenho toda uma ideia sobre o desenho. A primeira coisa que sempre lembro é que na época que eu assistia, eu era mais nova do que o Arnold, que já estava na quarta série. Daí alcancei ele \o/ e aí fui pra quinta, pra sexta, pra sétima, pra oitava…e o Arnold na quarta. Foi aí que parei de ver. Porque cresci mesmo. E agora eu me pego sem sono altas horas da noite e coloco na Nick… O que eu penso??? MEO DEOS, Arnold é o melhor desenho ever. Meus filhos verão Arnold!!! O que é toooodooo aquele jazz e toda aquela referência que tem o desenho??? Se as crianças de hoje assistissem a isso… teriam chance no futuro. BRINKS. Mas sério, desenho mais alto nível que eu já vi. Vale dois videos, um da abertura e outro da música do final *-*

Abertura

e a música do final, completa aqui.

(gosto tanto que virou o toque do meu celular hehehe)

Então galere, é isso. Claro que via muito mais desenhos que isso. Caverna do Dragão, Sailor Moon, Digimon, Irmãs ao Quadrado, Kenan e Kel, O Fantástico mundo de Bobby,CHARLIE BROWN (…) Mas esses foram os melhores. Sei que só citei os desenhos (nem todos são desenhos né.) mas a intenção era essa, isso tá mais pra lista do que qualquer outra coisa. Gostou? Não? Sério? Só vou saber se você me disser né? Bom, com um especial ai de duas partes, volto semana que vem hehehehe