Aventuras: do grande dia pt 2

Hora da festa. Ela seria na 42nd Street, no AMC theatre, no coração da Times Square. Na real essa era a única festa que eu podia entrar (under 21). Acabou que as nossas amigas brasileiras, a Luciana e a Inês(que eu ainda não conhecia), iriam pra mesma festa.

A festa em si era muita onda. Num teatro, entenda por CINEMA. E tinha vários tipos de ingresso. Claro que pra mim era só um, os do under 21, que custou 25 dólares. Tinha o simples de 35 dólares para maiores (O do Diego e das meninas), que dava acesso a uma outra area, com open bar. Daí tinha mais uns de ricassos, com direito a ir pro terraço ver a Ball Drop e bla bla bla…. Sei que vi ingresso de até 350 dólares (pra grupo de 4 pessoas e que vinha com Champagne).

Anyway, deixa eu lhes dizer que ir numa festa de ano novo na Times Square foi a melhor decisão que eu fiz na vida (98% das minhas decisões dão errado). Primeiro porque a noite de ano novo é FRIA. É um frio desconfortável e você supostamente tem que aguentá-lo por pelo menos 2,3 horas, se você decidir ver o Ball Drop na rua(tem que chegar cedo pra garantir um lugar decente). Depois que você só tem acesso a Times Square propriamente dita se você tiver ingresso pra alguma festa. Sim, eles fecham a Times Square e quem for ver na rua fica LONGE.

Então, depois do passeio no Central Park, chegamos no hotel 5 e pouquinho e eu, como boa agoniada, queria partir pra festa 6 horas, já contando com os atrasos do metro, andanças, e todos os imprevistos possíveis. A Luciana disse que nem precisava ir tão cedo assim, que o metrô tava funcionando direitinho e que o portão pra festa só abria 8 horas e coisa e tal. Me convenci a sair oito horas mesmo, com eles.

Fui pro quarto, descansei uns poucos minutos, e comecei a me arrumar. Em meia hora tava pronta (sem maquiagem né, os olhos não permitem ainda x=). Eram sete horas ainda. Subi pro quarto do Diego e fiquei enrolando lá até sete e meia. Daí eu desci enquanto ele continuava a se arrumar (Diego é uma moça pra se arrumar, pqp. mas o cara tem estilo né, tenho que relevar). Enrolei, enrolei, enrolei. Dez pras oito, nada de ninguém. Fui la embaixo no lounge (que é no ‘sotão’) ver se tinha alguem por lá. Nada. Quando subi, encontrei com a Inês pela primeira vez, que já tava me perguntando se eu era a amiga do Diego e dizendo que elas já estavam quase prontas. Eu falei que era e que tudo bem, eu ainda tava esperando ele. Ela disse que quando ele descesse, a gente podia ir lá pro quarto delas esperar.

Oito horas em ponto. O Diego aparece. Esperamos uns cinco minutos na recepção e resolvemos subir pro quarto delas. Chegando lá a Inês já tava pronta e a Luciana tava terminando a maquiagem. A gente falou que ia esperar lá embaixo mesmo. Quando voltamos pra recepção, tinha uma moça lá em pé esperando. Sentamos no sofá e ficamos lá esperando. Daí entrou um pessoal do hostel falando meio alto com ela. Pelo que deu pra entender, alguem tava fazendo alguma coisa errada e ela tinha que resolver, se não era multa.

Resumindo essa história, o cunhado dela tava lá fora fumando, o que parece que não pode. HIHIHI. Ela foi lá chamar ele e depois sentou com a gente e puxou papo. Depois de algumas frases trocadas em inglês, a gente descobre que ela também é brasileira, que tava lá pra ir pruma festa no ano novo com a irmã dela, que mora em algum lugar que eu não lembro qual é agora, e é casada/namorada desse americano. Muito louco, cara. A gente ainda ficou um tempo batendo papo, tiramos fotos (cadê essas fotos agora?) E aí a gente finalmente partiu, quase nove horas já.

O metrô não demorou horrores e nem tava cheio. Não tinha muita polícia e eles nem estavam revistando ninguém por lá. Descemos na nossa estação e fomos atrás da 42nd Street. Ali sim tava o aperto. Gente pra todo lado se espremendo. Aquela coisa de show lotado sabe? E você tenta passar, avançar e as pessoas só vão te apertando mais e mais. Seria até ‘normal’ se não fosse pelo fato de eu estar usando cachecol e as pessoas começarem a puxá-lo e eu quase morrer sufocada. TENSO. Mas aí eu não morri, e a gente achou um policial, falou que tinha ingressos e ele deu um gritão pra galera abrir espaço pra gente passar *-*

Depois do sufoco, a gente teve que ir pra uma fila pra entrar. Uma fila pequena, mas que não estava se movendo. Logo que a gente chegou no final da fila chegou também um grupo de garotos. PLIM. Garotos bonitos. De primeira eu nem vi né. Mas aí depois que a gente tava nos nossos lugares, eu dei uma olhada de leve. Foi só eu me virar pra espiá-los que o menino mais próximo lança um HI. Meus olhos brilharam. Ahhh New York, sua linda. O Diego e as meninas estavam conversando um pouco mais a frente, então era tipo só eu conversando com 4 meninos. Não lembro exatamente o que a gente conversou, sei que um deles morava em New Jersey e os outros estavam visitando-o, de Chicago. Um deles parecia com o Jesse McCartney

o outro, o Brian, parecia com um garoto que eu conheço de vista de Manaus. O bonitinho que falou comigo primeiro é descendente de irlandês e o que mora em New Jersey é um alto, o Matthew. Daí as meninas se aprochegaram e todos nós estávamos lá conversando. E conversa foi e voltou e foi e voltou. Numa dessas, que as meninas estavam conversando com o Diego de novo, eu lá na minha autistando, acabei vendo movimentos suspeitos. Tentei disfarçar, fingir que não vi. Mas uns segundos depois o bonitinho que eu esqueci o nome (porque né ninguem se apresentou HAHA) virou pra mim e perguntou se eu queria. MEDO PRA SEMPRE. Olhei pra ele com a cara mais desconfiada do mundo. Ai olhei pra baixo e era Whisky HAHAHA, daqueles Brandy (sei lá, não é minha praia ok). Aí bebemos todos um pouco. Nessa altura já sabiam que eu tinha 20 anos e me chamavam de baby e ficavam tirando onda do tipo ‘ e aí vai assistir filminho de criancinha??’ (aliás, a festa sendo num cinema né, tinha filmes passando a noite toda!).

A emoção da fila foi rápida, a gente nem demorou muito lá. Entramos, eu com minha pulseira verde de criança e tudo mais. Nos perdemos deles e eu perdi um lado da minha luva (noooo, valor sentimental x=). E haja subir escada rolante. E todo mundo pedindo a minha id. Fazia tempo que eu não era de menor x= Chegamos ao piso dos de menores, várias famílias e tal, pipoca e pizza. Fomos comer. Depois disso era aquele momento decisivo onde a galera ia subir pro open bar e eu ia morrer ali vendo filmes. Foi então que as meninas disseram que tinham pulseira sobrando, porque deram outra pra elas na porta. TCHANRAN. Consegui uma pulseira pro open bar (não que eu quisesse beber, queria ir atrás dos bonitinhos). Agora era a hora de enganar a galera dos states. ADRENALINA. Naquela altura, por muita sorte, eles não pediam mais id, só pulseira, então passei de boa \o/

Lá em cima, galera indo atrás das bebidas e eu de olho pra ver se via alguém. Acabei vendo o que parecia com o menino de Manaus, o Brian, subindo pra area vip. Anyway. A festa tava legal e tal. Daí as meninas decidiram tentar subir. A gente foi atrás. Elas subiram, mas quando chegou na vez do Diego eles barraram, porque ele tava com a pulseira azul, como eu. Elas tavam com a pulseira roxa. OH VIDA. Lá ia eu morrer na praia. Fiquei um tempo com o Diego depois resolvi ir assistir um filme. PS: eram onze e pouco já. Entrei na sala, sentei, assisti um trailer. Achei que já que ia ter que ver filme, ia pegar uma bebida. Quando saí pra ir atrás do Diego com as bebidas, quem eu encontro?? Brian. A gente começa a conversar, ele me fala que tava procurando um dos amigos deles, e eu dizendo que tinha me perdido também, que as meninas tinham subido e eu não podia. Aí ele falou pra eu ir com ele, tentar a sorte. Eu fui. Ele passou na frente e quando foi na minha vez ele começou a conversar com o segurança e quando eu vi, já estava na escada rolante. URRUL. Cheguei lá em cima e as meninas estavam com os amigos dele. Aí comecei a curtir tudo de novo. Mas eram quase meia noite e cadê o Diego?! Uma olha pra cara da outra. A gente decide descer. Lá embaixo começa a comoção pra ir pra fora ver a Ball Drop cair. A gente vai no meio. Contagem regressiva que eu nem vi. Já estava era com outro drink na mão. Quando olho pro lado, Diego no outro terraço, dos vipassos. Todo mundo de boa e feliz. Meia noite. Barulheira, fogos. Não lembro muito bem. Fica a dica de como entrei o ano né?!

Não sei quando volto pra postar o resto, mas ele virá, dont worry.

Aventuras: do grande dia pt 1

eu sei, era pra eu ter vindo ontem, mas oi estou viajando né…anyway, aqui vai o resto:

31 de Dezembro de 2010, de tarde.

Opa, ano novo. Eu e Diego decidimos fazer um programa ‘light’. Fomos andar no Central Park. Logo que começamos, ele decidiu que queria ir no tal do Strawberry Fields, e disse que era do lado East com a 79th Street. Então lá fomos nós atravessar o Parque.

Acho que foi nesse dia que percebi a quantidade de brasileiros em NYC. Chega a ser irritante. E o pior era ter que ficar falando em português, parecia assim que nem tinha saído de casa. Estávamos esbarrando em vários grupos de brasileiros nessa manhã fria de sexta feira no Parque.

Chegamos no lado East. Saímos do Central Park e entramos numa igreja bacana.

@Central Park

Depois continuamos a andar ruma à 79th St. Lembrando que a gente atravessou o Central Park do West pro East. Não é uma caminhada curta, levou de 20 a 30 minutos. Mas pra chegar na 79th St não demorou quase nada. Foi só lá que então o Diego decidiu olhar no mapa. Enquanto isso, euzinha aqui já estava meio aflita, pois levantei e fui andar no CP sem comer nada. A fome tava batendo. E é aí que o Diego, depois de todo o seu discurso no dia anterior de  ‘eu sou foda porque sei andar e NYC e meu senso de direção é FANTÁSTICO’ , vem me dizer, todo pianinho, que o Strawberry Fields é no lado EAST com a 72nd STREET, tipo, PERTINHO.

Depois de algumas reclamações, nós continuamos, agora comigo no comando né. Andamos, andamos, andamos. Tiramos várias fotos legais. No auge das andanças, minha fome aumentou consideravelmente e ele tava passando um frio de cão porque tava andando de sapato na neve. Daí decidimos sair do CP e achar um lugar pra comer.

Acabou que a gente saiu uma quadra antes da 72nd Street. Aí pra ser um pouco legal né, superei minha fome e andei um pouco mais. E lá finalmente achamos o tal do Strawberry Fields, ele tirou várias fotos e fomos comer no lugar mais próximo.

Vejam vocês que nós saímos do Hostel antes do meio dia e chegamos no restaurante pra almoçar 4:30pm. Sente o nível da caminhada. Minha única preocupação era ir pro hostel e me arrumar pro ano novo. E rezar pra não ficar com dor nas pernas de tanto andar.

Comemos, ele um hamburguer e eu batata frita com queijo *-* e fomos pro hostel.

A parte da noite, well, fica pro próximo post!

(mais fotos no flickr)

Aventuras: do encontro com o novo

Dia 30 de dezembro de 2010.

Meu primeiro dia lá. Tinha chegado na noite anterior morrendo de cansaço. Acordei várias vezes durante a noite, porque meu sono é leve quando estou em situações perigosas. Digo, eu estava num albergue, dividindo um quarto com uma menina que eu nem sei quem é e sem cadeado pras minhas coisas. Ou seja, lá estava eu acordando toda vez que ouvia passos, pra ver se tinha alguém mexendo nas minhas coisas. Mas meu santo (anjo da guarda) deu aquela força e nada aconteceu.

Acordei no dia seguinte 9:30 (10:30 em Manaus). Por sorte a minha roommate já tinha saído, melhor, ido embora mesmo. Daí levantei, peguei minhas coisas, fui pro banheiro e saí. Na noite anterior o cara da recepção já tinha me falado que eu não ia poder ficar no mesmo quarto que o Diego e disse que ele tava no 505. Fui bater lá de manhã, sem resposta.

Fui pro lounge congelante, pra ficar pagando 1 dólar por cada 10 minutos pra usar a net. Dei sinal de vida e enrolei lá por uns minutos. Aí simplesmente o Diego apareceu. Contei pra ele dos atrasos e tudo mais. Falei também que a gente precisava sair logo pra ir pegar os ingressos da festa de ano novo.

Saímos do hotel rumo à 21st Street, entre a 5° e a 6° Ave. Descemos em algum lugar que eu não me lembro agora. Mas era perto. Achamos o lugar de pegar ingressos rapidinho. Depois demos uma volta, tiramos algumas fotos…

the Flat Iron Building

e

Madison Square Park

e continuamos a caminhar… Daí o Diego decidiu que queria ir no museu do sexo. E lá fomos nós. Museu interessante, cheio de história e informações relevantes, mas não muito o que esperava. Anyway, tem algumas fotos de lá no flickr. Depois continuamos a caminhar, entrei numa loja de roupas antigas e comprei um óculos. Comi na McDonalds e continuamos a andar pela 5° avenida e tal. Passamos pela Times Square eu fui onde???

Gastei 126 dólares aí brincando. Comprei cinco esmaltes e sombras da Kat Von D. Um dia eu posto a foto e falo mais dele. Tem muitas coisas lindas nessa loja e eu achei ela razoavelmente barata. Só faltou mesmo ter mais opções… Anyway…

Voltamos pro albergue (hostel). O Diego tinha me falado que tinha ficado amigo de umas meninas brasileiras de lá, e que tava andando com elas nesses dias. E foi aí que eu conheci a Luciana. Acabou que ela e a amiga dela iriam pra mesma festa de ano novo que a gente, que já era no dia seguinte.

Papo vai, papo vem, ela queria que a gente fosse com ela pra Times Squares. A gente (eu e o Diego) saiu por volta das 11h da manhã e só voltamos 6 da tarde. A gente já tinha ido na Times Square. Falei que tava cansadona. O Diego queria ir, mas tava preocupado com a grana dele. Eu sei que eu subi pra dormir, porque já tinha andado pra cacete.

Amanhã tem mais!

Aventuras: do começo.

Happy New Year peeps!

Estou neste momento em Halifax. Sim, voltei hehe. Mas é coisa rápida. Infelizmente. Então, vou começar a contar minhas aventurinhas nessa viagem maluca.

Começando pelo começo. Estava eu em Manaus. Aí resolvi viajar. Aí viajei. Vocês lembram da onda que foi quando eu vim fazer intercâmbio né? lembra não? tá aqui. Decidi evitar conexões e levar sempre uma mala de mão com uma muda de roupa.

Então, fui de Manaus pra São Paulo no dia 27 de dezembro. Cheguei em SP às 21h, tudo certo. Peguei um táxi e fui pra um hotel perto do aeroporto, que eu nunca tinha ido/ouvido falar. Bateu um leve medinho. Coisas da internet. Cheguei lá, hotel certinho, bem pertinho do aeroporto. Cheguei no hotel 22h e pouquinho (horário de SP), comi e fui tentar dormir. E aí o horário de verão agiu sobre mim. Eu normalmente durmo 1,2 horas da manhã… Então era quase 2 da manhã em SP ( 00h em Manaus). Eu precisava acordar 3h30 e sair do hotel 04h pra ir pro aeroporto. Meu voo era só 8h da manhã, mas com aquela coisa louca de atrasos no Brasil/nevasca em NYC, eu precisava tomar cuidados extras. Resumindo, dormi quarenta minutos. Perfeito pra um voo de 7/8 horas!

Meu despertador tocou, me arrumei rápido e fui pro mundo. Tomei café no aeroporto mesmo (Pizza Hut =x) e fui fazer o check-in, que abriu 5 da manhã. Ufa, meu voo tava de boa na lagoa. Menos mal. Fui pra sala de espera, esperar né. Nessa altura, meu colírio especial tava ferrando com meu olho. Não conseguia parar de lagrimar. FEIÃO.

O voo não atrasou, foi mara, tipo nem tremeu nem nada e eu assisti Amor a Distancia, Salt e mais Inception (pela 3° vez). Na real, dormi metade do voo, porque quase não abria meus olhos. Salt eu acabei assistindo quando a gente tava chegando. Até desliguei porque a gente tava pousando. Mas aí alguma coisa tinha que acontecer. Ficamos no pátio esperando um espaço pra aeronave parar por TRÊS horas. Sim. Aí consegui terminar o filme e ainda assistir metade de Inception =D

Depois de três horas de atraso, mais duas horas na fila da imigração. NYC e seu caos. Depois peguei minha mala e entrei no primeiro carro que eu vi. SIM. PERIGO. Mas gente, meu anjo da guarda é TOP SUCESSO (aliás, valeu aí Deus) e vocês vão perceber porque no caminhar das coisas. O fato é que a fila pro táxi amarelinho tava MUITO longa e tava frio e já eram mais de dez horas da noite e eu tava com medo de perder minha reserva, então fui. Acabou que cheguei no hostel 11 e meia e depois de um velho nojento ficar dando em cima de mim, mas na boa, nada OHMEUDEUSDOCÉUCUIDADO. O fato é que tem gente que se amarra em brasileiras e lá todo mundo (tá, 90%) me acha linda (por isso me amarro em viajar BRIMKS). Anyway, cheguei no hotel, deu tudo certo, subi minhas malas nas escadas (elevador cadê) e fui dormir.

Amanhã tem mais galere! Fiquem com a fotinha tirada do avião:

Viajando

ai ai…

37º dia em Halifax;

25º dia de escola; (perdi a conta,lindo de viver)

14º dia de diário.

Preguiça LOLCA de postar =S

Só vim porque…porque…porque hj foi engraçado. Duas coisas aconteceram. A primeira, engarrafamento. O trânsito aqui é lindo de viver (ainda assim acontecem acidentes). Mas hoje, LOGO NA PONTE, de volta pra casa, o trânsito tava parado. A onda com essa ponte é que ela fecha final de semana pra obras (MORTE pra mim q tenho que atravessá-la pra chegar em Halifax). Ai achei que eles tavam fazendo alguma obra e tal.. Ai ônibus andou um pouco e… TCHAAAAAAAAAAAANRANNNNNNNNN, tinha um cara ameaçando pular. É. Eu passei rápido por lá, mas meu coração bateu forte quando eu vi. Daí pensei nessas coisas. Em Manaus, uma vez, quando eu ainda trabalhava como estagiária no IPEM, um cara subiu na antena da TV A Crítica e ameaçou pular tbm. Aliás, bons tempos de Ipem.Quando eu trabalhava lá, as coisas realmente aconteciam.

Pois sim. O cara, ainda bem, não pulou, soube eu pelo Twitter. Amanhã saberei detalhes no jornal grátis q eles dão no ônibus.

Falando em ônibus…. fui no Zeller’s (supermercado) comprar snacks…e quem eu encontro na saída??? QUEM??? QUEMMMM???? Nicholas e seu pai *-* TÃO LINDO! Mas eles não me reconheceram, claro.Nem eu me reconheceria.

Juro que na próxima vez eu falo com eles.Ou não.

Ah, dia 16 eu acho chega a nova estudante que vai morar aqui :B da China ela. RUM. E nesse domingo que vem, eu vou para New Brunswick (sei la como escreve preguiça de ver e de pontuar tbm =D) comer Lagosta. Uma palavra: MEDO.

É só. Preguiça comandando HORRORES e ainda tenho tarefa pra fazer =S

BYE.

(FELIZ INDEPENDÊNCIA BRASIL, eu sei, foi ontem, mas no Orkut ainda tava!)

Demorei,

29º dia em Halifax; (o último post tá errado,faço um mês aqui dia 2 ou 3)

20º dia de escola; (perdi a conta,lindo de viver)

13º dia de diário.

mas voltei ;B

Pois sim, eu fui lá pra Ilha do Príncipe Eduardo ( Prince Edwarda Island)… era uma CILADA BINO!

Primeiro que na quinta eu cheguei em casa falando ‘ Hey, I’m going to PEI this weekend!!!!!’ ai o Paul ‘ HUMM, did you heard we gonna have ANOTHER HURRICANE?’ … eu ‘ UAHSUAHSUAHSUAHSUAHSUASHUAS, YOU’RE KIDDING!’ … Paul ‘ Nope’… eu ‘ YEAH!!’ Paul ‘ NOOOPE’ … ai eu olho pra Cora e ela afirma… ai eu ‘ REALLY? I mean, it must be a bad signal… Maybe I shouldn’t go to PEI…’ ai o Paul ‘ Oh, maybe … You can decide tomorrow…’ Ai eu, OK.

Aí eu fui.E a gente teve… não um furacão, uma tempestade tropical… tinha até nome…DANNY.

Aí… as minhas amigas esqueceram de me dizer que estavam indo SÓ para ver um musical de uma tal de Anne Of Green Gables  não me pergunte . POIS É. Sabe o que eu fiz enquanto elas estavam vendo o musical???? Fiquei no carro com os dois meninos que também não queriam ver. DETALHE, foi eu, minha amiga Mika (japonesa) e mais CINCO KOREANOS… ou seja, eles SÓ falavam KOREANO! Eu dormi horrores no carro…Ai eles ligaram a luz, eu acordei e eles começaram a me fazer perguntas … tenso. PAPO, normal.

Resumindo a viagem… foi como um estar em filme de terror só que sem sexo,assassino e morte … A gente QUASE sofreu dois acidentes eles dirigem MUITO mal , nos perdemos 8907089273409287r2804 vezes e eu só dormi…O que me salvou foi minha trilha sonora LINDA DE VIVER!

E claro, as fotos MARAAAAS (modesta parte) que eu tirei *-* Fiz até um flickr novo pra mamãe poder ver!

-> http://www.flickr.com/photos/maria_in_canada

Koreanos são engraçados, efusivos eu diria. Eles não falam, emitem sons. A gente se perdia ai eles ‘falavam’ mais rápido ainda. Eu e a Mika ficávamos ouvindo música e olhando uma pra cara da outra… Ai quando alguma coisa acontecia eles gritavam…e quando era ruim eles falavam ‘óóóóóh’…eu ri muito esse findi.

É só isso…espero q vcs gostem… não posto todo dia pq acho q ninguem quer ler só ‘ Hoje eu fui pra aula e fi tarefa…’ Tentarei fazer algumas lolcuras aqui pra ter mais o que contar… mas é claro, só se tiver alguém pra ler ;B

BEIJOS E ATÉ MAIS =*

Esqueci

20º dia em Halifax; (10 dias pra um mês)

17º dia de escola;

12º dia de diário.

de postar ontem!!! UHSAUSHUAHSUAHSUAHSUASH Sorry.

Nada demais pra dizer. Pessoas irão embora já… Nesse findi talvez eu vá pra Prince Edward Island, so maybe i won’t post =D

Que saco, tem nada pra falar não… eu só estudo e estudo e como e durmo e estudo e…e…e…e… só. BORING.

Volto quando tiver 9dades =**