Inferno Astral

Não sei se já comentei aqui que acredito em muita coisa. Ou pelo menos gosto de acreditar.Tipo, sério. Acho a vida muito sem graça do jeito que ela é, então sempre fui de procurar algo fora do normal. Acho que é o meu jeito de acreditar no lado bom das pessoas, e também é o meu jeito de interpretar coincidências, sei lá.

Já tinha ouvido falar de Inferno Astral. Aqueles 30 dias antes do nosso aniversário, onde tudo parece dar errado e tal. Pra ser sincera, nunca tinha reparado nisso. Tentei lembrar de alguns dias antes dos meus aniversários passados, e nada de ruim me veio a cabeça. Até pouco tempo, achava que era besteira mesmo.

Aí quando foi esse ano, decidi prestar atenção. No começo, nada tinha dado mais errado do que o normal. É claro que, prestando atenção, qualquer coisa poderia ser fruto deste período, mas nada saiu muito fora do normal. Eu tava viajando, de boa, curtindo e bla bla bla.

Coisas boas começaram a acontecer. Eu achei estranho, aquele sentimento de ‘felicidade de pobre dura pouco’. Eu sabia que algo ia dar errado, mais pelo fato de isso sempre acontecer do que de estar no meu Inferno Astral.

Eu já tinha desistido de acreditar nesse lance todo, até porque as coisas estavam super normais, dando certo ou errado na ‘medida certa’, e já faltava quase uma semana pro meu aniversário.

E então, foi quando tudo começou, na sexta feira. Uma semana antes, EXATAMENTE. Primeiro foi um lance de saúde, algo que eu sentia de vez em quando sem saber o que era, foi descoberto. Estava tendo palpitações quando acordava, e isso já foi logo ameaçando meus treinos de Derby. E que tinha começado sendo algo bom, havia se tornado algo horrível. Sim, estou falando de um relacionamento. Passei o sábado e o domingo muito mal, de um jeito que eu não esperava. Na segunda, apesar das coisas só piorarem, eu já me sentia melhor. Haviam mentido pra mim e eu estava sendo trocada, mas estava incrivelmente de boa com isso.

Na terça, comecei a noite angustiada, o lance da palpitação não me deixava em paz. Desconfiei que isso pudesse estar ligado a grande decisão que deveria tomar (bad vibe também relacionada ao Inferno Astral?): Adiar ou não a minha ida pro Rio. Todo dia surgia um argumento novo sobre ir ou não logo pra lá.

Sempre ‘internalizei’ muito meus sentimentos. Na superfície eu sinto tudo normal, não sinto pressão, angústia, estresse, desespero. Mas inconscientemente, isso acaba me deixando mal de algum jeito, fisicamente. Daí a desconfiança da palpitação estar ligada a decisão.

Anyway, na terça, bem mais tarde, eu já não aguentava mais ficar em casa, acabei aceitando o convite de um amigo pra dar uma volta. Passear de madrugada é muito amor, e me deixou com um humor estranho. Acordei rindo hoje, e gritando, coisa que eu não faço com tanta frequência.

E hoje, quarta,véspera do final do meu Inferno Astral, eu acabei descobrindo um monte de coisa que outrora me faria MUITO triste. E eu continuei rindo. Quero ver o que vai ser de amanhã, me desejem sorte!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s